Práticas educativas inclusivas no ensino artístico a distância

Ângela Saldanha, Elizabeth Carvalho

Resumen


As escolas pouco têm alterado desde o século XIX, mas a reflexão sobre novas práticas ocorre constantemente.

São urgentes ações que mobilizem modificações que se adaptem aos tempos.

Neste artigo refletimos sobre duas áreas que nos parecem fundamentais para pensar a educação holística do individuo: a inclusão e o ensino artístico. Dando exemplos de duas práticas experimentais realizadas em Portugal no ensino secundário (com estudantes dos 15 aos 18 anos) e ensino universitário (estudantes adultos).

Práticas colaborativas construídas com os alunos que nos fazem repensar a vida, os objetivos e finalidades da educação.


Palabras clave


educação inclusiva, educação artística, educação a distância, cegos

Texto completo:

PDF

Referencias


BABO, Isabel (2015). “Espectadores e públicos activos”. Sacavém: Passagens.

BAUDELAIRE, Charles (2015) 7ªedição. “O pintor da vida moderna”. Sacavém: Passagens.

BAUDRILLARD, Jean (1976). “A troca simbólica e a morte”. Edições 70.

BOURRIAUD, Nicolas. “Estética Relacional”. São Paulo: Martins Fontes. 2009.

BRAUNSTEIN, Florence; PÉPIN, Jean-François. “O lugar do corpo na cultura ocidental”. Instituto Piaget.

BURROUGHS, William (2010). “A revolução electrónica”. Sacavém: Passagens.

CARERI, Francesco. Walkscapes – o caminhar como prática estética. São Paulo: Editora G. Gili, Ltda. 2013.

CARVALHO, E., & MARCOS, A. (2016). “O ensino e aprendizagem da programação de computadores no ensino a distância: uma proposta de instanciação do modelo pedagógico virtual da Universidade Aberta. Práticas e cenários de inovação em educação online”, 189-219.

COVERLEY, Merlin (2010). Psychogeography. London: Pocket Essentials. 2010.

DE EÇA, Teresa Torres; PARDIÑAS, Maria Jesus Agra; TRIGO, Cristina, Transforming practices and inquiry in-between arts, arts education and research. International Journal of Education Through Art, Volume 8, Number 2, 24 May 2012, pp. 183-190.

DAS NEVES SILVA, A., dos Santos, A. M. G., Cortez, E. A., & Cordeiro, B. C. (2015). “Limites e possibilidades do ensino à distância (EaD) na educação permanente em saúde: revisão integrativa”. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 20(4), 1413-81232015204.

DA SILVA ABBAD, G. (2014). “Educação a distância: o estado da arte e o futuro necessário”. Revista do Serviço Público, 58(3), 351-374.

DANTAS, Paulo (2001). “A intencionalidade do corpo próprio”. Instituto Piaget.

FRANCISCO, Maria Manuela Amado da Silva (2015). A descrição parametrizada da imagem para um eLearning acessível e inclusivo [Em linha]. Lisboa: [s.n.]. 2 vol. http://hdl.handle.net/10400.2/4957.

GAROIAN, Charles (1999). “Performing Pedagogy”. State University of New York Press.

GIL, José (2001). “Movimento Total – o corpo e a dança”. Relógio d’água.

GOMÉZ, J.A.C.; FREITAS, O.M.P.; CALLEGAS, G.V. Educação e Desenvolvimento Comunitário Local: Perspectivas Pedagógicas e Sociais da Sustentabilidade. Porto: ProfEdições. 2007.

LABAN, Rudolf (1971). “Domínio do movimento”. Brasil: Summus Editorial.

MANSO, Artur (2017). “Escolas para quê”. Estratégias criativas.

M. TAVARES, Gonçalo (2013). “Atlas do corpo e da imaginação”. Editoral Caminho.

MERLEAU-PONTY (2004) 5.ªedição. “O olho e o espírito”. Sacavém: Passagens.

MIRANDA, J.A. (2017) 3.ªedição.”Corpo e Imagem”. Sacavém: Passagens.

MOURÃO, Rui. Ensaio de artivismo. Lisboa: Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado. 2014.

NETO, Cristina Maria Tavares Rodrigues (2016). “Serviço de Apoio à Inclusão em eLearning (SAIeL) : educação para todos : contributo para a inclusão de cidadãos com necessidades educativas especiais no ensino superior a distância em regime de elearning”. Universidade Aberta: http://hdl.handle.net/10400.2/5390

PAIS, Ana (org.) (2017). “Performance na esfera pública”. Orfeu Negro.

PIMENTEL, K., Oliveira, L. F., PEREIRA, R., PAIXÃO, G., & ARRUDA FILHO, J. N. (2014). “A inclusão de pessoas com deficiência visual na EaD segundo a ótica do aluno e da equipe multidisciplinar”. In CONGRESSO

PORFÍRIO, José António; GRONITA, Joaquim; CARRILHO, Tiago; VAZ DA SILVA, Helena (2016).“Ensino Superior para pessoas com deficiência visual e auditiva em Portugal: diagnóstico e contributos para uma efetiva inclusão”, Lisboa: Universidade Aberta. ISBN: 978-972-674-777-2. http://www.ISOLearn.net/

PEIXOTO, Fernanda (2014). “A viagem como vocação”. São Paulo: Edusp.

REILLY, Sally (2015). “The body in contemporary art”. Thames & Hudson.

SANSI, Roger (2015). “Art, Anthropology and the gift”. London: Bloomsburry Academic.

SILVA, Paulo (1999). “O lugar do corpo”. Instituto Piaget.

SMITH, Keri (2016). “The Wander society”. New York: Penguin Books.

TAVARES, Gonçalo (2001). “A temperatura do corpo”. Instituto Piaget.

TRAQUINO, Marta (2010). “A construção do lugar pela arte contemporânea”. Húmus.

Lei n.º 85/2009, de 27 de agosto.

Lei n.º51/2012, de 5 de Setembro.

Decreto-Lei n.º176/2012, de 2 agosto;

Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho;




DOI: https://dx.doi.org/10.17561/rtc.n13.11

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


 ISSN 2340-9096              DOI 10.17561/rtc.


Indexación

 

 

 

Clasificacion integrada de revistas cientificas

 

 

 

Dialnet