Práticas educativas inclusivas no ensino artístico a distância / Prácticas educativas inclusivas en la enseñanza artística a distancia. / Inclusive educational practices in distance learning

Ângela Saldanha, Elizabeth Carvalho

Resumen


As escolas pouco têm alterado desde o século XIX, mas a reflexão sobre novas práticas ocorre constantemente.

São urgentes ações que mobilizem modificações que se adaptem aos tempos.

Neste artigo refletimos sobre duas áreas que nos parecem fundamentais para pensar a educação holística do individuo: a inclusão e o ensino artístico. Dando exemplos de duas práticas experimentais realizadas em Portugal no ensino secundário (com estudantes dos 15 aos 18 anos) e ensino universitário (estudantes adultos).

Práticas colaborativas construídas com os alunos que nos fazem repensar a vida, os objetivos e finalidades da educação.

Prácticas educativas inclusivas en la enseñanza artística a distancia.

Las escuelas poco han cambiado desde el siglo XIX, pero la reflexión sobre nuevas prácticas ocurre constantemente. Son urgentes acciones que movilicen modificaciones que se adapten a los tiempos. En este artículo reflexionamos sobre dos áreas que nos parecen fundamentales para pensar la educación holística del individuo: la inclusión y la enseñanza artística. Dando ejemplos de dos prácticas experimentales llevadas a cabo en Portugal en la enseñanza secundaria (para estudiantes de 15 a 18 años) y la educación universitaria (estudiantes adultos). Prácticas colaborativas construidas con los alumnos que nos hacen repensar la vida, los objetivos y finalidades de la educación.

Inclusive educational practices in distance learning

Schools have changed little since the nineteenth century, but reflection on new practices is constantly occurring. Actions that mobilize modifications that adapt to the times are urgent. In this article we reflect on two areas that we consider fundamental to think about the holistic education of the individual: the inclusion and the artistic teaching. Giving examples of two experimental practices carried out in Portugal in secondary education (with students from 15 to 18 years old) and university education (adult students). Collaborative practices built with students that make us rethink the life, goals and purposes of education.


Palabras clave


educação inclusiva, educação artística, educação a distância, cegos / Educación inclusiva, educación artística, educación a distancia, ciegos / Inclusive education, arts education, distance learning, blind

Texto completo:

PDF

Referencias


BABO, Isabel (2015). “Espectadores e públicos activos”. Sacavém: Passagens.

BAUDELAIRE, Charles (2015) 7ªedição. “O pintor da vida moderna”. Sacavém: Passagens.

BAUDRILLARD, Jean (1976). “A troca simbólica e a morte”. Edições 70.

BOURRIAUD, Nicolas. “Estética Relacional”. São Paulo: Martins Fontes. 2009.

BRAUNSTEIN, Florence; PÉPIN, Jean-François. “O lugar do corpo na cultura ocidental”. Instituto Piaget.

BURROUGHS, William (2010). “A revolução electrónica”. Sacavém: Passagens.

CARERI, Francesco. Walkscapes – o caminhar como prática estética. São Paulo: Editora G. Gili, Ltda. 2013.

CARVALHO, E., & MARCOS, A. (2016). “O ensino e aprendizagem da programação de computadores no ensino a distância: uma proposta de instanciação do modelo pedagógico virtual da Universidade Aberta. Práticas e cenários de inovação em educação online”, 189-219.

COVERLEY, Merlin (2010). Psychogeography. London: Pocket Essentials. 2010.

DE EÇA, Teresa Torres; PARDIÑAS, Maria Jesus Agra; TRIGO, Cristina, Transforming practices and inquiry in-between arts, arts education and research. International Journal of Education Through Art, Volume 8, Number 2, 24 May 2012, pp. 183-190.

DAS NEVES SILVA, A., dos Santos, A. M. G., Cortez, E. A., & Cordeiro, B. C. (2015). “Limites e possibilidades do ensino à distância (EaD) na educação permanente em saúde: revisão integrativa”. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 20(4), 1413-81232015204.

DA SILVA ABBAD, G. (2014). “Educação a distância: o estado da arte e o futuro necessário”. Revista do Serviço Público, 58(3), 351-374.

DANTAS, Paulo (2001). “A intencionalidade do corpo próprio”. Instituto Piaget.

FRANCISCO, Maria Manuela Amado da Silva (2015). A descrição parametrizada da imagem para um eLearning acessível e inclusivo [Em linha]. Lisboa: [s.n.]. 2 vol. http://hdl.handle.net/10400.2/4957.

GAROIAN, Charles (1999). “Performing Pedagogy”. State University of New York Press.

GIL, José (2001). “Movimento Total – o corpo e a dança”. Relógio d’água.

GOMÉZ, J.A.C.; FREITAS, O.M.P.; CALLEGAS, G.V. Educação e Desenvolvimento Comunitário Local: Perspectivas Pedagógicas e Sociais da Sustentabilidade. Porto: ProfEdições. 2007.

LABAN, Rudolf (1971). “Domínio do movimento”. Brasil: Summus Editorial.

MANSO, Artur (2017). “Escolas para quê”. Estratégias criativas.

M. TAVARES, Gonçalo (2013). “Atlas do corpo e da imaginação”. Editoral Caminho.

MERLEAU-PONTY (2004) 5.ªedição. “O olho e o espírito”. Sacavém: Passagens.

MIRANDA, J.A. (2017) 3.ªedição.”Corpo e Imagem”. Sacavém: Passagens.

MOURÃO, Rui. Ensaio de artivismo. Lisboa: Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado. 2014.

NETO, Cristina Maria Tavares Rodrigues (2016). “Serviço de Apoio à Inclusão em eLearning (SAIeL) : educação para todos : contributo para a inclusão de cidadãos com necessidades educativas especiais no ensino superior a distância em regime de elearning”. Universidade Aberta: http://hdl.handle.net/10400.2/5390

PAIS, Ana (org.) (2017). “Performance na esfera pública”. Orfeu Negro.

PIMENTEL, K., Oliveira, L. F., PEREIRA, R., PAIXÃO, G., & ARRUDA FILHO, J. N. (2014). “A inclusão de pessoas com deficiência visual na EaD segundo a ótica do aluno e da equipe multidisciplinar”. In CONGRESSO

PORFÍRIO, José António; GRONITA, Joaquim; CARRILHO, Tiago; VAZ DA SILVA, Helena (2016).“Ensino Superior para pessoas com deficiência visual e auditiva em Portugal: diagnóstico e contributos para uma efetiva inclusão”, Lisboa: Universidade Aberta. ISBN: 978-972-674-777-2. http://www.ISOLearn.net/

PEIXOTO, Fernanda (2014). “A viagem como vocação”. São Paulo: Edusp.

REILLY, Sally (2015). “The body in contemporary art”. Thames & Hudson.

SANSI, Roger (2015). “Art, Anthropology and the gift”. London: Bloomsburry Academic.

SILVA, Paulo (1999). “O lugar do corpo”. Instituto Piaget.

SMITH, Keri (2016). “The Wander society”. New York: Penguin Books.

TAVARES, Gonçalo (2001). “A temperatura do corpo”. Instituto Piaget.

TRAQUINO, Marta (2010). “A construção do lugar pela arte contemporânea”. Húmus.

Lei n.º 85/2009, de 27 de agosto.

Lei n.º51/2012, de 5 de Setembro.

Decreto-Lei n.º176/2012, de 2 agosto;

Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho;




DOI: https://dx.doi.org/10.17561/rtc.n13.11

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


 ISSN 2340-9096              DOI 10.17561/rtc.


Indexación

 

 

 

Clasificacion integrada de revistas cientificas

 

 

 

Dialnet