Formación de profesores: aprendizaje (re)construidas en el curso de especialización en docencia en la Educación Infantil

Resumen

. Los niños pequeños presentan singularidades propias del tiempo de vida en que se encuentran, así como en el modo en que aprenden y se desarrollan. Así, la educación destinada a ellos presenta especificidades que exigen del profesor saberes específicos. En este sentido, una formación sólida teórico-práctica es indispensable para el profesor de educación infantil. El artículo presenta parte de los resultados del proyecto de investigación "Los impactos de la política del MEC en la formación de profesores a nivel de especialización: un estudio de caso en la Unidad de Educación Infantil (UEI) Wilson Bahia”. Se pretende analizar la experiencia formativa en el Curso de Especialización en Docencia en la Educación Infantil, ocurrido en la Universidad Federal de Pará, y la relación de esa formación con la docencia en la guardería. La investigación tiene un abordaje cualitativo y como metodología de recolección de informaciones se realizó la rueda de conversación con profesoras egresadas del curso. La organización y el análisis de la información se basan en las técnicas de análisis de contenido. Los resultados apuntan que los fundamentos teóricos-metodológicos que permearon la formación en el curso posibilita a las profesoras el ejercicio de la reflexión de sus prácticas pedagógicas y la (re) construcción de los saberes sobre el trabajo docente en la guardería, así como permitió calificar el hacer del docente universitario que actúa en la formación inicial de profesores. Los datos revelan lo necesario que es el diálogo entre universidad e institución de educación infantil para la construcción de saberes necesarios para la docencia con bebés.

Biografía del autor/a

Celi Costa Silva Bahia, Universidade Federal do Pará

Graduado em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará. Doutora em Teoria e Pesquisa do Comportamento Humano pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Professora do Curso de Pedagogia do Instituto de Ciências da Educação da UFPA. Coordenadora Adjunta do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Infantil (IPE), no período de 2008 a 2015. Atualmente é coordenador geral do Grupo IPE. Desenvolver pesquisas na área de educação infantil. Dedica-se principalmente a educação de bebês, currículo para educação infantil, formação de professores de educação infantil, organização de educação infantil. Consultor ad hoc para várias revistas.

Citas

Bardin, L. (2002). Análise de conteúdo. (3. ed.). Lisboa: Edições 70.

Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Casa Civil da Presidência da República. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm.

Brasil. (2009). Portaria nº 1.129, de 27 de novembro de 2009. Constitui a Rede Nacional de Formação Continuada dos Profissionais da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 30 novembro 2009.

Brasil. (2009). Decreto N° 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior -CAPES no fomento a programas de formação inicial e continuada, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 30 de janeiro de 2009.

Cordão, T. S. R. (2013). Necessidades formativas de professores de crianças de zero a três anos de idade. Dissertação de Mestrado, Centro de Ciências Sociais Aplicada, Pontifícia Universidade Católica, Campinas, SP, Brasil.

Ferreira, M. V. e Zurawski, M. P. (2011). Formação de professores e currículo integrado. Revista Educação Infantil, 2(num. esp.), 30-37.

Filho, A. J. M. e Filho, L. J. M. (2011). Da formação de professores à atuação docente na Educação Infantil: reflexões à luz da teoria histórico-social. Revista Percurso, 12(1), 118-138. Retrived from http://www.periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/2224.

Gatti, B. A. (2005). Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro, Editora. Série Pesquisa em Educação.

Goulart, I. C. V. (2016). Linguagem, dialogicidade e docência: o processo de formação em atos. Revista. Diálogo Educativo., 16(49), 705-726.

Lüdke, M. e Boing, L. A. (2012). Do trabalho à formação de professores. Revista Cadernos de Pesquisa, 42(146), 428-451. doi: v.42 n.146 p.428-451 maio/ago.

Méllo, R. P. et al. (2007). Construcionismo, práticas discursivas e possibilidades de pesquisa. Psicologia e Sociedade, 19(3), 26-32.

Nóvoa, A. (2008). Nada substitui o bom professor. Palestra proferida em São Paulo, a convite do Sinpro-SP. Retrieved from http://www.sinpro.org.br/noticias.asp?id_noticia=639.

Nunes, M. F. R., Corsino, P. e Didonet, V. (2011). Educação Infantil no Brasil: primeira etapa da educação básica. Brasília: UNESCO, Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, Fundação Orsa.

Oliveira-Formosinho, J. e Formosinho, J. (2002). A formação em contexto: a perspectiva da Associação Criança. In J. Oliveira-Formosinho e T. Kishimoto (Orgs.). Formação em contexto: uma estratégia de integração. (1-40). São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Secanechia, L. P. Q. (2011). Uma interpretação à luz da ideologia discursiva sobre bebês e a creche captada em cursos de Pedagogia da cidade de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, SP, Brasil.

Tristão, F. C. D. (2005). A sutil complexidade das práticas pedagógicas com bebês. In A. J. M. Filho (Org.). Infância plural: crianças do nosso tempo. (27-58). Porto Alegre: Mediação.

Tristão, F. C. D. (2004). Ser Professora de Bebês: um estudo de caso em uma creche conveniada. Dissertação de Mestrado, Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Universidade Federal do Pará (2011). Projeto Básico do Curso de Especialização em Docência na Educação Infantil. Belém: UFPA.

Publicado
2019-07-24
Sección
Artículos