El contenido de educación física: un análisis de los informes de prácticas supervisadas

Resumen

En este estudio se propuso analizar la frecuencia del contenido de Educación Física en los informes de la Práctica Supervisada. Esta investigación tiene un carácter documental y exploratorio, y se realizó por medio de un enfoque cualitativo y cuantitativo, analizando 66 informes de Práctica en la Enseñanza Fundamental y Enseñanza Media, elaborados por académicos que se graduaron en 2016 de una Universidad Federal. El contenido que más se desarrolló en la Práctica de los primeros años de la  Enseñanza Fundamental fueron las actividades recreativas (32,3%); en la etapa que abarca los últimos años de la Enseñanza Fundamental y de la Enseñanza Media, el primer puesto lo ocupó la modalidad deportiva de voleibol (22% y 38%, respectivamente). Se concluye que los académicos demostraron creatividad para planificar las clases, dada la dificultad para encontrar materiales específicos en las escuelas públicas, así como un lugar apropiado para realizar tal práctica deportiva.

Citas

Ayoub, E. (2001). Reflexões sobre a Educação Física na Educação Infantil. Revista Paulista de Educação Física, 4(15), 53-60.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. (70ª ed.). Lisboa: LDA.

Bassani, J. J., Torri, D. e Vaz, A. F. (2005). Educação do corpo, esporte e Educação Física escolar. Revista Virtual EFArtigos, (2), 24.

Bracht, V. (2005). Pesquisa (ação) e prática pedagógica em Educação Física. Coleção cotidiano escolar – A Educação Física no Ensino Fundamental (5º/8º séries). Natal: Paidéia, Brasília: MEC, 7-22.

Brasil, Ministério da Educação. (2018). Base Comum Curricular Nacional. (3º Versão.).

Brasil, Ministério de Educação e do Desporto. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: Educação Física, Secretaria de Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

Brasil, Ministério de Educação e do Desporto. (1999). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio/ Secretaria de Ensino Médio. Brasília: MEC/SEM.

Brasil, Presidência da República (2008). Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes. Diário Oficial da União, Brasília. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11788.htm.

Canestraro, J. D. F., Zulai, L. C., e Kogut, M. C. (2008). Principais dificuldades que o professor de Educação Física enfrenta no processo ensino-aprendizagem do Ensino Fundamental e sua influência no trabalho escolar. In VIII Congresso Nacional de Educação, Curitiba.

Chemin, B. F. (2009). A educação para e pelo lazer no âmbito municipal. Educação, 32(2), 165-175.

Chicati, K. C. (2000) Motivação nas aulas de educação física no ensino médio. Revista da Educação Física, Maringá, 11(1), 97-105.

Darido, S. C., e Rangel, I. C. A. (2011). Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Grupo Gen-Guanabara Koogan. (2ª ed.). Rio de Janeiro: Grupo Gen-Guanabara Koogan. (Obra original publicada em 2000).

Darido, S. C., Galvão, Z., Ferreira, L. A., e Fiorin, G. (1999). Educação Física no Ensino Médio: reflexões e ações. Motriz, 5(2), 138-145.

Frometa, E. R., e Takahashi, K. (2004). Guia Metodológico em atletismo: formação técnica e treinamento. Porto Alegre: Artmed.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. (5ª ed.). São Paulo: Atlas.

Guedes, D. P., e Guedes, J. E. R. (1997). Características dos programas de Educação Física Escolar. Revista Paulista de Educação Física, 11, 49-62.

Hildebrandt, R., e Laging, R. (2003). Concepções abertas no ensino da Educação Física. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.

Lombardi, R. F. (2007). Estágio supervisionado: importante na e para a formação do professor. In D. R. T. G. Carvalho, S. S. Utari. Formação de Professores e estágios supervisionados: algumas veredas, (pp.11-126). São Paulo: Andross.

Luiz, F. R., Angeloni, S., De Maria, L. J., Maltez, M. F. e Batinga, O. A. (1995). Desvendando o estágio em Educação Física. Revista Motrivivência, 5, 170-176.

Maldonado, D. T., Bocchini, D., Barreto, A., e Rodrigues, G. M. (2014). As dimensões atitudinais e conceituais dos conteúdos na educação física escolar. Pensar a Prática, 17(2).

Manual de orientação do Estágio Supervisionado: Licenciatura em Educação Física. (2016). Faculdade de Educação, Dourados: UFDG

Matthiensen, S. Q. (2007). Atletismo: teoria e prática. Rio Janeiro: Guanabara Koogan.

Matthiesen, S. Q., Calvo, A. P., Silva, A. C., e Faganello, F. R. (2005). Atletismo se aprende na escola. Revista Motricidade, 1(1), 36-47.

Netto, R. S., e Pimentel, G. G. A. (2009). O ensino do atletismo nas aulas de educação física. Curitiba: SEED/PR.

Oliveira, M. C. M. (2006). Atletismo escolar: uma proposta de ensino na educação infantil. Rio de Janeiro: Sprint.

Pereira, R. S., e Moreira, E. C. (2005). A participação dos alunos do ensino médio em aulas de Educação Física: algumas considerações. Journal of Physical Education, 16(2), 121-127.

Silva Marques, C. L. e Iora, J. A. (2009). Atletismo Escolar: possibilidades e estratégias de objetivo, conteúdo e método em aulas de Educação Física. Movimento, 15(2), 113-118.

Silva, R. R. e Soares, M. G. (2011). Atletismo escolar: concepção dos professores sobre a natureza do atletismo e possibilidade de ensino. Pará: UEPA.

Souza, E. R. (2005). O atletismo no Ensino Fundamental: reflexões teóricas e possibilidades pedagógicas. Florianópolis – SC, UFSC: Edição do Autor.

UFGD. (2016). Manual de orientação do Estágio Supervisionado: Licenciatura em Educação Física. Faculdade de Educação. Dourados-MS.

Publicado
2019-07-24
Sección
Artículos