Pasantía supervisada: proyectos creativos ecoformadores en la formación inicial de profesores de química

Palabras clave: Pasantía Supervisada, Proyectos Creativos Ecoformadores, Formación Inicial de Profesores

Resumen

Resumen: En este texto se analiza el desarrollo de los componentes curriculares de la pasantía supervisada de la Licenciatura en Química del Instituto Federal de Santa Catarina, Campus São José (IFSC-SJ). Su objetivo es comprender la contribución de los Proyectos Creativos Ecoformadores (PCEs), elaborados y aplicados durante las Pasantías Supervisadas II y III, para la formación de profesores / investigadores, de acuerdo con las premisas de los marcos teóricos adoptados durante el curso. Pimenta (1999), Pimenta y Lima (2005/2006), Lüdke (2012) proporcionaron el aporte teórico-conceptual, mientras que las discusiones sobre los componentes curriculares de la pasantía supervisada en química se basaron en los conceptos de PPC de ese curso (IFSC, 2014). Los PCEs analizados fueron diseñados, como proyectos de intervención, por el primer grupo de estudiantes de pregrado que asistieron a la Pasantía Supervisada II del curso mencionado en 2018/1 y se desarrollaron en la Pasantía Supervisada III en 2018/2. Se investigaron ocho proyectos para el presente análisis con el fin de percatar sus respectivas características generales y entender cómo se utilizó la propuesta metodológica de lós PCEs, así como su relación con los objetivos de la pasantía en la formación de docentes / investigadores. Sobre la base de los resultados obtenidos, hubo indicaciones de cómo se está capacitando a los profesores en el curso analizado, además de las implicaciones de esta propuesta en la planificación de las clases de pasantías supervisadas.

Biografía del autor/a

Mariana Schneider, Instituto Federal de Santa Catarina

Aluna do Curso de Química-Licenciatura do Instituto Federal de Santa Catarina, Câmpus São José (IFSC-SJ). Bolsista do Projeto de Pesquisa "Educação de Jovens e Adultos: Análise do perfil socioeconômico dos discentes do PROEJA-IFSC-SJ – uma abordagem interdisciplinar III – A Escola". Participa como voluntária do Projeto de Pesquisa “As Práticas de Estágio Supervisionado nos Cursos de Licenciatura do IFSC-SJ: O processo de formação e constituição da identidade docente”. Participa como voluntária do Grupo de Estudos e Pesquisa Identidade e Formação Docente - GRIFO do IFSC-SJ.

Paula Alves de Aguiar, Instituto Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2004), mestrado em Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE/UFSC pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009) e doutorado em Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE/UFSC pela Universidade Federal de Santa Catarina (2012). Atualmente é professora do Instituto Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Métodos e Técnicas de Ensino, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, práticas pedagógicas, estágios supervisionados e educação de jovens e adultos.

Franciele Drews de Souza, Instituto Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Química, com titulação nas habilitações Licenciatura (2008) e Bacharelado (2009) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É mestre em Educação Científica e Tecnológica pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da UFSC. Atualmente, atua como professora de Química em turmas dos cursos técnicos integrados em Telecomunicações e em Refrigeração e Climatização do IFSC - Campus São José; bem como docente no Curso de Licenciatura em Química da mesma instituição. Tem experiência na formação continuada de professores em Educação Ambiental.

Citas

Arroyo, M. G. (2019). Estágios – Um convite a radicalizar sua função formadora. Aguiar, P. A., Drews, F., Demos, T. V., Pereira, G. A. e Vaz, K. (Orgs.), Estágios Supervisionados na Formação Docente: Experiências e Práticas do IFSC-SJ. (pp.14-30). Florianópolis: IFSC.

Aguiar, P. A., Pereira, G. A. e Viella, M. A. L. (2017). O uso da metodologia dos Projetos Criativos Ecoformadores (PCE) no estágio curricular supervisionado de um curso de licenciatura do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) Campus São José. Revista Professare, 6(2), 123-140.

Freitas, O. (2007). Os equipamentos e materiais didáticos. Brasília: Universidade de Brasília. Centro de Educação a Distância. Brasília: Universidade de Brasília, Recuperado em 20 de maio de 2019, de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/profunc/equipamentos.pdf.

Garcez, E. S. C., Gonçalves, F. C., Alves, L. K. T., Araújo, P. H. A., Soares, M. H. F. B. e Mesquita, N. A. S. (2012). O Estágio Supervisionado em Química: possibilidades de vivência e responsabilidade com o exercício da docência. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 5(3), 149-163.

Instituto Federal de Santa Catarina - IFSC. (2014). Projeto Pedagógico do curso de Química - Licenciatura. São José: IFSC Campus São José.

Leite, Y. U. F. (2011). Sobre os estágios no curso de formação de professores. Y. U. F. Leite (Org.). O lugar das práticas pedagógicas na formação inicial de professores (pp.45-56). São Paulo: Cultura Acadêmica.

Lüdke, M. (2012). A complexa relação entre o professor e a pesquisa. André, M. (Org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores (pp. 27-24). 12ª ed. São Paulo: Papirus.

Maldaner, O. A. e Zanon, L.B. (2004). Situação de estudo: uma organização do ensino que extrapola a formação disciplinar em ciências. Moraes, R.; Mancuso, R. (Orgs.). Educação em ciências: produção de currículo e formação de professores (pp. 43-64). Ijuí, Rio Grande do Sul: Editora Unijuí.

Neves, J. L. (1996). Pesquisa Qualitativa – características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisas em administração, 1(3), 1-5.

Nunes, C. M. F. (2001). Saberes docentes e for

mação de professores: um breve panorama da pesquisa brasileira. Educação & Sociedade, 22(74), 27-42.

Paro, V. H. (2002). Implicações do caráter político da educação para a administração da escola pública. Educação e pesquisa, 28(2), 11-23.

Pelizzari, A., Kriegl M. L., Baron, M. P., Fink, N. T. L. e Dorocinski, S. I. (2001-2002). Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Revista PEC, 2 (1), 37-42. Recuperado em 20 de março de 2019, de http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012381.pdf

Pesce, M. K. e André, M. E. D. A. (2012). Formação do professor pesquisador na perspectiva do professor formador. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, 4(7), 39-50.

Pimenta, S. G. (1999). Formação de professores: identidade e saberes da docência. PIMENTA, S.G. (Org). Saberes pedagógicos e atividade docente. (pp.15-34). São Paulo, São Paulo: Cortez Editora.

Pimenta, S. G. e LIMA, M. S. L. (2005/2006). Estágio e Docência: diferentes concepções. Revista Poiésis, 3(3 e 4), 5-24.

Santos, W. L. P. e Schnetzler, R. P. (2010). Ensino de Química e a formação do cidadão. W. L. P. Santos e R. P. Schnetzler (Orgs.). Educação em Química: compromisso com a cidadania. 4ª ed. (pp.43-58). Ijuí: Unijuí.

Silva, R. M. G. e Schnetzler, R. P. (2008). Concepções e ações de formadores de professores de Química sobre o estágio supervisionado: propostas brasileiras e portuguesas. Química Nova, 31(8), 2174-2183.

Torre, S. e Zwierewicz, M. (2009). Projetos criativos ecoformadores. M. Zwierewicz e S. Torre (Coord.). Uma escola para o século XXI: escolas criativas e resiliência na educação. (pp.153-175). Florianópolis: Insular.

Tura, M. L. R. (2003) A observação do cotidiano escolar. N. Zago, M. P. Carvalho, e R. A. T. Vilela (Orgs.) Itinerários de pesquisa. Perspectivas qualitativas na Sociologia da Educação (pp. 183-205). Rio de Janeiro: DP&A.

Zabalza, M. A. (2004). Diários de Aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Tradução Ernani Rosa. Porto Alegrel: Artmed.

Zwierewicz, M. (2014), Seminário de pesquisa e intervenção I. Florianópolis: Publicações do IFSC.

Zwierewicz, M., Somariva, J. F. G., Bianco, M., Debiasi, M., Cachoeira, R. D., Silva, M. C., Silveira, L., Bratti, M. M. V.,

Schlickmann, M. M., Zanelato, D. S. L., Marioti, B. e Silva, R. Q. (2016). Escolas Criativas: experiências transformadoras potencializadas na interação do Ensino Superior com a Educação Básica. Polyphonía, 27(1), 393-413.

Publicado
2019-11-03
Cómo citar
Schneider, M., Alves de Aguiar, P., & Drews de Souza, F. (2019). Pasantía supervisada: proyectos creativos ecoformadores en la formación inicial de profesores de química. Revista Electrónica De Investigación Y Docencia (REID). https://doi.org/10.17561/10.17561/reid.m4.8
Sección
Artículos