Química en la cocina: relato de una experiencia de enseñanza de la química en educación de jóvenes y adultos

Palabras clave: Educación de Jóvenes y Adultos, Pasantía Supervisada, Enseñanza de la Química

Resumen

Para contribuir a otros estudios y propuestas pedagógicas centradas en la Educación de Jóvenes y Adultos (EJA), en este artículo se evalúa una experiencia vivida en esta modalidad de enseñanza, que implica el uso de la referencia metodológica de los Proyectos Creativos Ecoformadores en la enseñanza de la química. La experiencia en cuestión es el desarrollo del proyecto "Química en la cocina: Uso de la cocina como laboratorio", realizado en una clase de Operador de Computación del Programa Nacional de Integración de la Educación Profesional con la Educación Básica en la modalidad de Educación de Jóvenes y Adultos, ofrecido por el Instituto Federal de Santa Catarina - Campus São José. Preparado y llevado a cabo durante el año 2018, este proyecto fue parte integral de las actividades propuestas para las pasantías supervisadas de la licenciatura en química de la misma institución. Así, en este artículo, además de describir las etapas de desarrollo del proyecto, se presenta lo siguiente: el portafolio producido a partir de la sistematización de los trabajos de polinización elaborados por los estudiantes; y los resultados de un cuestionario aplicado al final de las actividades, a partir de los cuales buscamos identificar las impresiones generales de los estudiantes con respecto a la propuesta desarrollada. A partir de esto, finalmente, se hacen algunas consideraciones sobre la importancia de abordar el cotidiano de la Enseñanza de La Química de la EJA, así como sobre la adopción de estrategias metodológicas que tengan en cuenta los conocimientos previos y las especificidades de los sujetos de esta modalidad de la docencia, para el desarrollo de procesos de aprendizaje e inclusión reales.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Carolina Toledo Cavalcante, Instituto Federal de Santa Catarina

Graduada em Bacharelado em Química pela Universidade Federal de São Paulo (2016). Participou de projetos de iniciação científica na área de Química Inorgânica no Laboratório de Materiais Hibridos (LMH-Unifesp) e na área de Quimiometria no Laboratório de Catálise e Química Verde (LACQV) - Unifesp. Cursa Licenciatura em Química pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC). Atualmente, participa de projeto de pesquisa no Grupo de Estudos e Pesquisa Identidade e Formação Docente (GRIFO-IFSC)

Franciele Drews, Instituto Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Química, com titulação nas habilitações Licenciatura (2008) e Bacharelado (2009) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É mestre em Educação Científica e Tecnológica pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da UFSC. Atualmente, atua como professora de Química em turmas dos cursos técnicos integrados em Telecomunicações e em Refrigeração e Climatização do IFSC - Campus São José; bem como docente no Curso de Licenciatura em Química da mesma instituição. Tem experiência na formação continuada de professores em Educação Ambiental.

Citas

Aguiar, P. A. (2012) Letramentos de adultos em processo de alfabetização: reflexos da escolarização nas práticas de leitura, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC.

Aguiar, P. A., Drews, F. (2017) Ementa Curricular da disciplina de Estágio Supervisionado de Licenciatura em Química do Campus São José, IFSC, São José, SC.

Brasil (1988) Congresso Nacional. Constituição Federal da República Federativa do Brasil. 5 de outubro 1988.

Brasil (1996) Congresso Nacional. Lei Federal nº 9.394. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 20 de dezembro de 1996.

Brasil (2006) Congresso Nacional Decreto Nº 5.840 Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - PROEJA. 13 de julho de 2006.

Brasil/MEC (2007) Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrada ao Ensino Médio. Documento Base. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf2/proeja_medio.pdf acesso em 18/05/2019 às 13:30.

Bianchetti, L.(2002) Um olhar sobre a diferença: as múltiplas maneiras de olhar e ser olhado e suas decorrências. Revista brasileira de educação especial, v. 8, n. 1, p. 1-8, .

Bonilla, E. y Rodríguez, P. (1997) Más allá de los métodos. La investigación en ciencias sociales. Editorial Norma. Colombia.

Camargo, A. L. C. (1999) Mudanças na avaliação da aprendizagem escolar na perspectiva da progressão continuada: questões teóricas-práticas. In: BICUDO, M. A. V.; SILVA JÚNIOR, C. A. da (org). Formação do educador: avaliação institucional, ensino e aprendizagem. São Paulo: UNESP, v.4.

Centra, J. (1994) The use of the teaching portfolio and student evaluation for summative. Journal of Higher Education.

Chagas, A. T. R. (2000) O questionário na pesquisa científica. Administração OnLine: Prática, Pesquisa, Ensino, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 23-48.

Costa, A. O. (2012) De Língua Portuguesa, Da Seduc. Formação Política E Trabalho: Uma Proposta Reflexiva De Contextualização Na Educação De Jovens E Adultos. Editora Realize 2012.

De Oliveira, E. B & Dos Santos, F. N.(2017) Pressupostos e definições em interdisciplinaridade: diálogo com alguns autores. Interdisciplinaridade. Revista do Grupo de Estudos e Pesquisa em Interdisciplinaridade. ISSN 2179-0094., n. 11, p. 73-87.

Di Pierro, M. C., Joia, O. & Ribeiro, V. M.(2001) Visões da educação de jovens e adultos no Brasil. Cadernos Cedes, v. 21, n. 55, p. 58-77.

Freire, P.(1996) Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Machado, N. J. (2005) Interdisciplinaridade e contextuação. In: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM): fundamentação teórico-metodológica. Brasília: MEC; INEP, 2005. p. 41-53.

Morin, E. (2000) Os Sete Saberes necessários à Educação do Futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez.

Oliveira, M. K. (1999) Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação. n. 12. São Paulo: Anped Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Educação. p. 59-73.

Pereira, G. A., Aguiar, P. A.; Da Rosa, T. P. (2018) Projetos criativos ecoformadores nos estágios da licenciatura do IFSC campus São José: o olhar dos professores orientadores de estágio. Revista Electrónica de Investigación y Docencia (REID), n. 19.

Pujol, M. A. y Sanz, G. (Coord) (2007) Transdisciplinariedad y Ecoformación. Una nueva mirada sobre la educación. Madrid. Editorial Universitas.

Pukall, J. P., De Souza, L. V. & Zwierewicz, M. (2017) Ecoformação Na Educação Básica: Uma Experiência Em Formação De Professores." Professare 6.1.

Rosa, M. I. P. et al. (2007) O lugar da Química na escola: movimentos constitutivos da disciplina no cotidiano escolar. Ciência & Educação, Bauru, SP.

Sanceverino, A. R. (2016) Mediação pedagógica na educação de jovens e adultos: exigência existencial e política do diálogo como fundamento da prática. Revista Brasileira de Educação 21.65: 455-475.

Scheibel, M. R., Schirlo, A. C. & Foggiatto, R. M. C. (2009) Portfólios: Uma opção metodológica para o ensino de ciências, Anais Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências.

Shores, E. F. & Cathy G. (2001) Manual de Portfólio: um guia passo a passo para professores. Porto Alegre: Artmed.

Vargas, P. G. & Gomes, M. F. C. (2013) Aprendizagem e desenvolvimento de jovens e adultos: novas práticas sociais, novos sentidos. Educação e Pesquisa, v. 39, n. 2, p. 449-463.

Torre, S., Pujol, M.A., Pasquali S. & Silva, V. L. S.(2015) Novos Talentos: processos educativos com Projetos Criativos Ecoformadores. Projetos Criativos Ecoformadores - PCEs: Uma via metodológica desde e para o paradigma da complexidade. (p. 45-58). Blumenau: Nova Letra.

Torre, S. de la & Zwierewicz, M. Projetos criativos ecoformadores. (2009) In: Zwierewicz M. & Torre, S. de la (Coord.) Uma escola para o século XXI: escolas criativas e resiliência na educação. Florianópolis: Insular, p. 153-175.

Wartha, E. J., Silva, E.L. da; Bejarano, N. R. R. (2013) Cotidiano e contextualização no ensino de química. Química nova na escola , v. 35, n. 2, p. 84-91.

Zwierewicz M. , et al. (2016) Escolas Criativas: experiências transformadoras potencializadas na interação do Ensino Superior com a Educação Básica. Revista Polyphonía 27.1: 393-414.

Publicado
2019-11-03
Cómo citar
Cavalcante, C. T., & Drews, F. (2019). Química en la cocina: relato de una experiencia de enseñanza de la química en educación de jóvenes y adultos. Revista Electrónica De Investigación Y Docencia (REID). https://doi.org/10.17561/10.17561/reid.m4.12
Sección
Artículos