(In) sostenibilidad en la ribera baja del río São Francisco en los Estados de Sergipe y Alagoas (Brasil)

  • Sergio Silva de Araujo Universidade Federal de Sergipe (UFS)
  • Antenor Oliveira de Aguiar Netto Universidade Federal de Sergipe (UFS)
Palabras clave: Impactos ambientales, Indicadores de Sostenibilidad, Regulación del flujo de agua, Cultivo de arroz, Río São Francisco

Resumen

Este artículo presenta una herramienta que, si no novedosa, busca colaborar con las discusiones sobre el desarrollo sostenible, identificando indicadores e índices para evaluar el grado de sostenibilidad de las intervenciones humanas en la ribera baja del río São Francisco en los Estados de Sergipe y Alagoas (Brasil). El propósito de la investigación fue determinar la influencia de los parámetros ambientales, específicamente, el flujo de las aguas del río São Francisco, en los indicadores socioeconómicos en la ribera baja del río, relacionados con la producción de arroz, tanto de forma natural como a través de la inundación artificial “modelo de regadío”. Las fuentes documentales y las estadísticas fueron la base de datos que permitió explicar el estado de sostenibilidad de cada uno de los municipios. El enfoque metodológico busco procedimientos para el cálculo de los Índices de Sostenibilidad Municipal (ISM), representados por los polígonos de impacto antropogénicas y expuestos en gráficos de radar. Por lo tanto, se constató que el bajo caudal del río, generado por la presa de Xingó, y la intrusión salina ha convertido en un gran lago a la ribera baja del río São Francisco. En este contexto, la producción de arroz  de la región cayó en las zonas de inundación natural y aumento en el modelo de regadío a costa de la baja sostenibilidad del medio ambiente.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Sergio Silva de Araujo, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Graduado em Ciências Sociais Bacharelado pela Universidade Federal de Sergipe (2005); graduação em Ciências Sociais Licenciatura pela Universidade Federal de Sergipe (2006); Especialização em Gestão Urbana e Planejamento Municipal pela UFS (2010); Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Sergipe (2008) e Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Sergipe. Funcionário aposentado da Petrobrás S. A., membro da Câmara Técnica Institucional e Legal - CTIL, do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. Atuando principalmente nos seguintes temas: políticas públicas, bacia hidrográfica, conflitos socioambientais, gestão ambiental, percepção ambiental, sustentabilidade, racionalidade ambiental, desenvolvimento econômico e lutas de classes.

Antenor Oliveira de Aguiar Netto, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Graduado em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal da Bahia (1989), Mestre em Agronomia (Irrigação e Drenagem) pela Universidade Estadual Paulista (1993) e Doutor em Agronomia (Irrigação e Drenagem) pela Universidade Estadual Paulista (1997). Pós-doutor em Engenharia Ambiental (Recursos Hídricos) pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010). Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Atuou como coordenador do curso de Engenharia Agronômica entre o ano de 1997 e 1999. Foi coordenador de pesquisa da UFS no período de 1999 a 2004 e dirigiu o Mestrado em Recursos Hídricos da UFS, entre 2012 e 2014. Trabalha na área de Engenharia Agrícola, com ênfase em Irrigação e Drenagem, atuando principalmente nos seguintes temas: manejo de irrigação, irrigação por aspersão e evapotranspiração. No campo multidisciplinar pesquisa, também, na área de Recursos hídricos: modelagem ambiental, gestão e manejo de bacias hidrográficas.

Citas

Aguiar Netto, A. O.; Mendonça Filho, C. J. & M., Rocha, J. C. S. 2010: “Águas de Sergipe: Reflexões sobre cenários e limitações”, en Aguiar Netto, A. O. & Gomes, L. J. (orgs.). Meio Ambiente: distintos olhares. São Cristóvão, UFS, 39-70.

ANA (Agência Nacional de Águas) 2015: Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil 2014. Brasília/DF. Disponível em: http://conjuntura.ana.gov.br/docs/conj2014_inf.pdf. Acesso em: 01 maio 2015. Acesado en: 15 jun. 2016.

ANA (Agência Nacional de Águas) 2016: http://www2.ana.gov.br/Paginas/servicos/informacoeshidrologicas/monitoramentohidro.aspx.

Araújo, S. S.; Aguiar Netto, A. O, & Gomes, L. J. 2016: “A percepção ambiental, identidade e pertencimento dos moradores do povoado Cabeço, em Brejo Grande/SE, frente às inundações na foz do rio São Francisco”, Desenvolvimento e Meio Ambiente. 36, 239-253, http://dx.doi.org/10.5380/dma.v36i0.37818.

Araújo, S. S.; Aguiar Netto, A. O & Sales, J. M. J. 2016: “O peixe, o pescador e a barragem de Xingó no baixo São Francisco em Sergipe e alagoas no Brasil”, Revista Interdisciplinar de Pesquisa e Inovação (RevIPI), 2(1), 1-14.

Araújo, S. S. & Menezes, S. R. 2016: “Mapa de localização do baixo curso do rio Baixo São Francisco, Estados de Alagoas e Sergipe e Brasil”, em VV. AA.: Anais do I Simpósio da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. Petrolina/PE, Brasil, s.e.

Assis, J. S.; Alves, A. L. & Nascimento, M. C. 2006: Atlas Escolar de Alagoas: Espaço Geo-Histórico e Cultural. João Pessoa, Grafset.

Barros, H. O. M.1985: “Modernização agrícola autoritária e desestruturação do ecossistema: o caso do Baixo São Francisco”, Cadernos de Estudos Sociais, 1(1), 97-114.

Calorio, C. M. 1997: “Análise de Sustentabilidade em Estabelecimentos Agrícolas Familiares no Vale do Guaporé ‒ MT”, Dissertação de Mestrado em Agricultura Tropical, Universidade Federal de Mato Grosso, UFMG, Cuiabá, Brazil.

Camino V., R. de & Müller, S. 1993: Sostenibilidad de la agricultura y los recursos naturales: bases para estabelecer indicadores. San José, IICA, (Series Program Documents IICA, 38).

Daniel, O. et al. 2001: “Alternativa a um método para determinação de um índice de sustentabilidade”, Revista Árvore, 25(4), 455-462.

Fontes, L. C. da S. 2011: “O Rio São Francisco após as Grandes Barragens – mudanças recentes no regime hidrossedimentológico e na dinâmica fluvial do baixo curso”, em Lucas, A. A. T. & Aguiar Netto, A. de O. (Orgs.): Águas do São Francisco. São Cristóvão, SE: EDUFS, 33-68.

França, V. L.; Cruz, M. T. S. & Fontes, A. L. 2006: Atlas Escolar de Sergipe Geohistórico e Cultural. João Pessoa, Grafset.

Jesus, N. B. de & Gomes, L. J. 2012: “Conflitos socioambientais no extrativismo da Aroeira (Schinus terebenthifolius Raddi), Baixo São Francisco – Sergipe/Alagoas”, Ambiente & Sociedade, 15(3), 55-73, http://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2012000300005.

Guedes, T. A.; Martins, A. B. T.; Acorsi, C. R. L. & Janeiro, V. 2015: Projeto de Ensino: aprender fazendo estatística. Disponível em: http://www.each.usp.br/rvicente/Guedes_etal_Estatistica_Descritiva.pdf. Acesso em: 18 de abril de 2015.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) 2013: Censos Demográficos do Brasil. Disponível em http://www.ibge.gov.br. Acesado en: 10 jun. 2013.

IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) 2012: A Década Inclusiva (2001-2011): desigualdade, pobreza e políticas de renda. Comunicado IPEA, n. 155.

Lightfoot, C.; Bimbao, M. A. P.; Dalsgaard, J. P. T. & Pullin, R. S. V. 1993: “Aquaculture and Sustainability through integrated resources management”, Outlook on Agriculture, 22(3), 143-150, https://doi.org/10.1177/003072709302200303.

Lopes, S. B. 2001: “Arranjos Institucionais e a Sustentabilidade de Sistemas Agroflorestais: uma proposição metodológica”, Dissertação de Mestrado Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS Porto Alegre, Brasil.

Maltchik, L. & Medeiros, E. S. F. 2006: “Diversidade, estabilidade e atividade reprodutiva de peixes em uma poça fluvial permanente no leito de um riacho efêmero, riacho Avelós, Paraíba, Brasil”, Revista de Biologia e Ciências da Terra, 1-2, 20-28.

Martins, M. de F. & Cândido, G. A. 2012: “Índices de Desenvolvimento para Localidades: uma proposta metodológica de construção e análise”, Revista de Gestão Social e Ambiental (RGSA), 6, 3-19, https://doi.org/10.24857/rgsa.v6i1.229.

Matos, E. L. de. 2014: “O Pacto das Águas e suas Relações Socioambientais”, Tese de Doutorado, Universidade Federal de Sergipe. UFS. São Cristóvão, Brasil.

Medeiros, P. R. P.; Knoppers, B. A.; Santos Junior, R. C. & Souza, W. F. L. 2003: “Aporte fluvial de material em suspensão e sua dispersão na zona costeira do rio São Francisco (SE/AL)”, em VV. AA.: Anais do II Congresso sobre Planejamento e Gestão das Zonas Costeiras dos Países de Expressão Portuguesa. s. d., Disponível em http://www.abequa.org.br/trabalhos/dinamica_costeira_308.pdf.

Mendonça, N. dos S. 2013: “Sustentabilidade e Usos Múltiplos da Água da Barragem Poção da Ribeira-SE”, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Sergipe. UFS. São Cristóvão, Brasil.

Moura, L. G. V. 2002: “Indicadores para avaliação da sustentabilidade em sistemas de produção da agricultura familiar: o caso dos funicultores de Agudo-RS”, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio do Grande do Sul. UFRGS, Porto Alegre, Brasil.

Neri, M. 2013. A nova classe média: o lado brilhante da base da pirâmide. São Paulo, Saraiva.

Passos, H. D. de B. & Pires, M. de M. 2008: “Indicadores Ambientais para Avaliação de Agroecossistemas”, Informe Gepec, 12(1), 1-15, Disponível em http://e-revista.unioeste.br/index.php/gepec/article/view/1809.

Rego, W. D. L & Pinzani, A. 2013: “Liberdade, Dinheiro e Autonomia: o caso bolsa família”, Política & Trabalho. Revista de Ciências Sociais, 38, 21-42.

Santos, F. I.; Dias, H. C. T.; Elias, S. & Coelho, F. M. G. 2013: “Índice de sustentabilidade em zona ribeirinha na bacia hidrográfica do riozinho do Rôla, Rio Branco, Acre”, Revista Brasileira de Gestão Ambiental, 7(1), 47-55.

Sepulveda, S.; Chavarria, H. & Rojas, P. 2005: Metodologia para estimar el nível de desarrollo sostenible em territórios rurales: el Biograma. San José, Costa Rica, Instituto Americano de Cooperação para a Agricultura IICA/Diréccion de Desarrollo Rural Sostenible.

Souto, R. D. 2005: “Aplicação de Indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Estudo de Caso Avaliação do Impacto Antropogênico na Zona Costeira do Estado do Rio de Janeiro, Brasil”, Dissertação de Mestrado em Oceanografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Departamento de Oceanografia e Hidrologia. UERJ.

Van Bellen, H. M. 2004: “Desenvolvimento Sustentável: uma descrição das principais ferramentas de avaliação”, Ambiente e Sociedade, 7(1), 67-87, http://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2004000100005.

Van Leeuwen, C. J. 2013: “Cite Blueprints: baseline assessments of sutainable water management in 11 cities of the future”, Water Ressources Management. An International Journal, 27(15), 5191-5206, https://doi.org/10.1007/s11269-013-0462-5.

Vargas, M. A. M. 2014: Projetos de irrigação e reestruturação do espaço. http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal6/Geografiasocioeconomica/Geografiaagricola/221.pdf.

Vasco, A. N. do. 2015: “O declínio das vazões no baixo São Francisco ocasionadas pela construção de grandes barragens”, Tese de Doutorado, Universidade Federal de Sergipe, UFS. São Cristóvão - Brasil.

Publicado
2018-04-30
Cómo citar
Araujo, S. S. de, & Aguiar Netto, A. O. de. (2018). (In) sostenibilidad en la ribera baja del río São Francisco en los Estados de Sergipe y Alagoas (Brasil). Agua Y Territorio, (11), 83-95. https://doi.org/10.17561/at.11.2956