The river basin and its topography:

landscape implications of Mangues river, Bahia, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.17561/at.23.7169

Keywords:

Forest Fragmentation, Slope, Hypsometry

Abstract

The study analyzed forest fragmentation as a function of existing topographic attributes in Mangues River Basin between 1990 and 2018. The vegetation area was segmented from the temporal mapping of land use in Porto Seguro city, classifying in small, medium and large sizes. For each fragment was extracted the average of altimetrics and slope, obtained by digital elevation model. The area adequacy were analyzed wich instruments Urban Plan and Atlantic Forest Municipal Plan. An increase in forest fragmentation in the hydrographic basin was identified, with smaller fragments in lower and flatter areas. Management instruments are potential for the management of the watershed, but they have goals that have not yet been achieved.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Caroline Coutinho de Oliveira, Universidade Federal do Sul da Bahia

.

References

Abdala L. S. e Cruz C. B. M. 2015: “Análise de fragmentação florestal no município de silva jardim, APA do rio São João, RJ”. Revista Brasileira de Cartografia, 67 (1), 169-184. https://doi.org/10.14393/revbrascartogr

Andrade A. S., Ribeiro, S. C. A., Pereira, B. W. F. e Brandão, V. V. P. 2020: “Fragmentação da vegetação da bacia hidrográfica do Rio Marapanim, nordeste do Pará”. Ciência Florestal, 30 (2), 406-420. https://doi.org/10.5902/1980509835074

Alaska Satellite Facility Distributed Active Archive Center (ASF DAAC). 2020. https://asf.alaska.edu/data-sets/sar-data-sets/alos-palsar/. Consulta realizada em 07 de abril de 2021.

Barbosa E. D. 2019: Análise da paisagem da bacia hidrográfica do rio Javaés a partir do método GTP–Geossistema, território e paisagem. tese de mestrado, Universidade Federal do Tocantins, Palmas (Brasil).

Borges L. F. R., Scolforo J. R., Oliveira A. D.; Mello J. M., Acerbi F. W. e Freitas D. G. 2004: “Inventário de fragmentos florestais nativos e propostas para seu manejo e o da paisagem”. CERNE, 10 (1), 22-38.

Brasil. 2006: Lei n. 11.428, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11428.htm. Consulta realizada em 28 março de 2022.

Brasil. 2008: Decreto n. 6.660, que regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6660.htm. Consulta realizada em 28 março de 2022.

Brasil. 2012: Lei 12.651 que dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm. Consulta realizada em 28 março de 2022.

Calegar I. L., Martins S. V., Gleriani J. M., Silva E. e Busato L. G. 2010: “Análise da dinâmica de fragmentos florestais no município de Carandaí, MG, para fins de restauração florestal”. Revista Árvore, 34 (5), 871-880. https://doi.org/10.1590/S0100-67622010000500012

Dias M. A. e Coelho Neto A. L. 2011: “A influência da topografia na distribuição de gramíneas em um fragmento de floresta atlântica urbana montanhosa – maciço da Tijuca/RJ”. Revista Brasileira de Geomorfologia, 12 (2), 3-14. https://doi.org/10.20502/rbg.v12i2.230

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). 2018: “Sistema brasileiro de classificação de solos”. Embrapa Solos - Centro Nacional de Pesquisa do Solo. 5, 292.

García-Rivero A. E., Sánchez, B. L. M., Chávez E. S. e Gonzalez A. Z. D. 2019: “A cartografia das paisagens com sistemas de informação geográfica, como base para o diagnostico geoecológico da bacia hidrográfica do rio ariguanabo, Cuba”. Revista Da ANPEGE, 15 (27), 169–194. https://doi.org/10.5418/RA2019.1527.006

Goerl R. F., Siefert C. e Schultz G. B. 2011: “Elaboração e aplicação de índices de fragmentação e conectividade da paisagem para análise de bacias hidrográficas”. Revista Brasileira de Geografia Física, 4 (5), 1000-1012. https://doi.org/10.26848/rbgf.v4i5.232678

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2021: “Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2021”. IBGE, 2021. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/porto-seguro/panorama. Consulta realizada em 19 março de 2022.

Jesus E. N., Ferreira R. A., Aragão A. G., Santos T. I. S. e Rocha S. L. 2015: “Estrutura dos fragmentos florestais da bacia hidrográfica do Rio Poxim-SE, como subsídio à restauração ecológica.” Revista Árvore. 39 (3), 467-474. https://doi.org/10.1590/0100-67622015000300007

Lima A. M. M., Corrêa J. A. M., Silva L. M., Ferreira, S. C. G. 2021: “Análise da relação entre a paisagem e a hidrogeoquímica da bacia hidrográfica do rio Moju, Amazônia Oriental-Brasil”. Agua y Territorio/Water and Landscape, 17, 131-150.

Marques A. M. S. 2014: Plano municipal de conservação e recuperação da mata atlântica de Porto Seguro - Bahia. Salvador (Brasil), Grupo Ambientalista da Bahia.

Pirovani D. B., Silva A. G., Santos A. R., Cecílio R. A., Gleriani J. M. e Martins S. V. 2014: “Análise espacial de fragmentos florestais na Bacia do Rio Itapemirim, ES”. Revista Árvore, 38 (2), 271-281. https://doi.org/10.1590/S0100-67622014000200007

Porto Seguro. 2019: Lei Municipal nº 1511 que aprova o Plano Diretor Municipal Participativo de Porto Seguro. http://www.acessoinformacao.com.br/ba/portoseguro/wp-Includes/ExternalApps/downloader.php?hurl=aHR0cDovL2RvZW0ub3JnLmJyL2JhL3BvcnRvc2VndXJvL2FycXVpdm9zL2Rvd25sb2FkL2E1NmIzYmZiODlmNjM4NjkzYmYwZTBiOGY5MzRiZjdmL0xlaSBuwrogMTUxMSAtIDE5IFBsYW5vIERpcmV0b3IgTXVuaWNpcGFsIFBhcnRpY2lwYXRpdm8ucGRm. Consulta realizada em 26 de março de 2022.

QGIS Development Team. 2020: Open Source Geospatial Foundation Project. https://qgis.org/en/site/ . Consulta realizada em 07 de abril de 2021.

Ramos E. A., Nuvoloni F. M. e Lopes, E. R. N. 2022: “Landscape Transformations and loss of Atlantic Forests: challenges for conservation”. Journal for Nature Conservation, 66, 126152. https://doi.org/10.1016/j.jnc.2022.126152

Reina A. G. 2023: “Cambio en los patrones territoriales y análisis diacrónico de inundabilidad y erodabilidad en cuencas de la provincia de Málaga (1956-2010)”. Agua y Territorio/Water and Landscape. 21.

Ribeiro M. C., Metzgera J. P., Martensen A. C., Ponzoni F. J., Hirota, M. M. 2009: “The Brazilian Atlantic Forest: how much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation. 142 (6), 1141-1153. https://doi.org/10.1016/j.biocon.2009.02.021

Robert A. e Moravie M. 2003: “Topographic variation and stand heterogeneity in a wet evergreen forest of India”. Journal of Tropical Ecology. 19 (6), 697-707. https://doi.org/10.1017/S0266467403006096

Rosa P. A., Breunig F. M., Almeida C. M. e Balbinot R. 2017: “Avaliação das relações entre os parâmetros da modelagem geomorfológica e a cobertura florestal no noroeste do Rio Grande do Sul”. Geo UERJ, 31, 371-388. http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2017.19502

Saito N. S., Moreira M. A., Santos A. R., Eugenio F. C. e Figueiredo A. C. 2016: “Geotecnologia e Ecologia da Paisagem no Monitoramento da Fragmentação Florestal”. Floresta e Ambiente. 23 (2), 201-210. https://doi.org/10.1590/2179-8087.119814

Sampaio B. D. S. e Pinto A. L. 2022: “Paisagem e qualidade da água na bacia hidrográfica do Córrego da Onça, Três Lagoas, Mato Grosso do Sul, Brasil”. Revista Formação (Online). 29 (54). 199-223. https://doi.org/10.33081/formacao.v29i54.8404

Santos R., Landim I. A. M., Corte A. P. D. e Sanquetta C. R. 2017: “Dinâmica e fragmentação florestal na sub-bacia do Médio Iguaçu (PR) no período de 2000 a 2015”. BIOFIX Scientific Journal. 2 (2). 76-85. http://dx.doi.org/10.5380/biofix.v2i2.55342

Souza C. G., Zanella L., Borém R. A. T., Carvalho L. M. T., Alves H. M. R. e Volpato M. M. L. 2014: “Análise da fragmentação florestal da Área de Proteção Ambiental Coqueiral, Coqueiral – MG”. Ciência Florestal. 24 (3). 631-644. https://doi.org/10.5902/1980509815743

Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI). 2014: “Estatística dos municípios baianos”. 4, 130.

Taubert F., Fischer R. Groeneveld J., Lehmann S., Müller M. S., Rödig E., Wiegand T. e Huth A. 2018: “Global patterns of tropical forest fragmentation”. Nature 554, 519–522. https://doi.org/10.1038/nature25508

Published

2023-07-14

How to Cite

Reis do Nascimento Lopes, E., & Coutinho de Oliveira, C. (2023). The river basin and its topography: : landscape implications of Mangues river, Bahia, Brazil. Agua Y Territorio / Water and Landscape, (23), e7169. https://doi.org/10.17561/at.23.7169