Socio-spatial transformations and territorial appropriation of Ipeúna, state of São Paulo, Brazil region

Authors

  • Mara Ligia Scotton de Carvalho UNESP

DOI:

https://doi.org/10.17561/at.23.7307

Keywords:

Territorial Appropriation, Ipeuna/SP/Brazil, Transformations, Landscape, Historical Factors

Abstract

The study analyzes the territorial appropriation of the region that includes the municipality of Ipeúna, as well as areas close to the borders with its bordering municipalities, and establishes as a time frame the period between the 17th and 20th centuries. The objective is to understand the beginning and consolidation of the occupation of this territory, as well as to investigate the agents involved in this process of settlement, from the understanding of its relationship with the local and regional context. It is about identifying the transformations that occurred after the constitution of the first paths, the allotments donated to this region, and follow the fragmentations that occurred through the first official records of their dismemberments; in parallel, the agents that caused the organization of the space are contextualized, as well as the transformations of its landscape, as a result of the historical, social, economic, political and cultural factors.

Downloads

Download data is not yet available.

References

BALESTRINI FILHO, Jorge. 1969: “O caminho de Luís Pedroso de Barros”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (Brasil), 66, 79 -103.

BENINCASA, Vladimir. 2014: Velhas fazendas - arquitetura e cotidiano nos Campos de Araraquara. 1830-1930. São Carlos (Brasil), Editora da Universidade de São Carlos.

CARVALHO, Mara Lígia Scotton de. 2021: Caminhos e trajetórias: Uma retrospectiva histórica da formação territorial de Ipeúna/SP. Dissertação Mestrado em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro (Brasil).

CÔRREA, Roberto Lobato. 2018: Caminhos paralelos e entrecruzados. São Paulo (Brasil), Editora Unesp.

DEAN, Warren. 1977: Rio Claro: Um sistema brasileiro de grande lavoura 1820-1920. Rio de Janeiro (Brasil), Editora Paz e Terra.

DINIZ, Diana Maria de Faro Leal. 1973: Rio Claro e o café, desenvolvimento, apogeu e crise (1850-1900). Tese doutorado em História, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro (Brasil).

DORIZOTTO, Sermo. 2008: Os primórdios de Piracicaba: Informações, documentos, comentários e notas. Piracicaba (Brasil), Editora do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba.

DORIZOTTO, Sermo. 2017: O Bairro do Recreio. Caxias do Sul (Brasil), Editora São Miguel.

FÓRUM DA COMARCA DE RIO CLARO. 1896: “Processo de divisão e demarcação do sítio Invernada. Samuel Draesback”. Tabelião Público judicial e notas de São João Batista de Rio Claro (Brasil).

GARCIA, Liliana Bueno dos Reis. 2001: São João do Rio Claro, a aventura da colonização. Tese doutorado livre docência, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro (Brasil).

MACHADO, Helia Maria de Fátima Gimenez. 2004: Uma História para Ipeúna. Dissertação Mestrado em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro (Brasil).

NEME, Mario. 1969: “Dois antigos caminhos de sertanistas de São Paulo”. Anais do Museu Paulista de São Paulo, (Brasil), 23, 40.

NEME, Mario. 1974: Apossamento do solo e evolução da propriedade rural na zona de Piracicaba. São Paulo (Brasil). Edição do Fundo de Pesquisas do Museu Paulista da Universidade de São Paulo.

PENTEADO, Oscar de Arruda. 1978: “Como nasceu e cresceu Rio Claro”. Rio Claro sesquicentenária. São Paulo (Brasil), Impressa Oficial do estado de São Paulo, 1, 16-71.

VALENTE, Roberta de Oliveira Averna. 2001. Análise da estrutura da paisagem na bacia do rio Corumbataí, SP. Dissertação Mestrado em Recursos Florestais, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Universidade de São Paulo, Piracicaba (Brasil).

BALESTRINI FILHO, Jorge. 1969: “O caminho de Luís Pedroso de Barros”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (Brasil), 66, 79 -103.

BENINCASA, Vladimir. 2014: Velhas fazendas - arquitetura e cotidiano nos Campos de Araraquara. 1830-1930. São Carlos (Brasil), Editora da Universidade de São Carlos.

CARVALHO, Mara Lígia Scotton de. 2021: Caminhos e trajetórias: Uma retrospectiva histórica da formação territorial de Ipeúna/SP. Dissertação Mestrado em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro (Brasil).

CÔRREA, Roberto Lobato. 2018: Caminhos paralelos e entrecruzados. São Paulo (Brasil), Editora Unesp.

DEAN, Warren. 1977: Rio Claro: Um sistema brasileiro de grande lavoura 1820-1920. Rio de Janeiro (Brasil), Editora Paz e Terra.

DINIZ, Diana Maria de Faro Leal. 1973: Rio Claro e o café, desenvolvimento, apogeu e crise (1850-1900). Tese doutorado em História, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro (Brasil).

DORIZOTTO, Sermo. 2008: Os primórdios de Piracicaba: Informações, documentos, comentários e notas. Piracicaba (Brasil), Editora do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba.

DORIZOTTO, Sermo. 2017: O Bairro do Recreio. Caxias do Sul (Brasil), Editora São Miguel.

FÓRUM DA COMARCA DE RIO CLARO. 1896: “Processo de divisão e demarcação do sítio Invernada. Samuel Draesback”. Tabelião Público judicial e notas de São João Batista de Rio Claro (Brasil).

GARCIA, Liliana Bueno dos Reis. 2001: São João do Rio Claro, a aventura da colonização. Tese doutorado livre docência, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro (Brasil).

MACHADO, Helia Maria de Fátima Gimenez. 2004: Uma História para Ipeúna. Dissertação Mestrado em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro (Brasil).

NEME, Mario. 1969: “Dois antigos caminhos de sertanistas de São Paulo”. Anais do Museu Paulista de São Paulo, (Brasil), 23, 40.

NEME, Mario. 1974: Apossamento do solo e evolução da propriedade rural na zona de Piracicaba. São Paulo (Brasil). Edição do Fundo de Pesquisas do Museu Paulista da Universidade de São Paulo.

PENTEADO, Oscar de Arruda. 1978: “Como nasceu e cresceu Rio Claro”. Rio Claro sesquicentenária. São Paulo (Brasil), Impressa Oficial do estado de São Paulo, 1, 16-71.

VALENTE, Roberta de Oliveira Averna. 2001. Análise da estrutura da paisagem na bacia do rio Corumbataí, SP. Dissertação Mestrado em Recursos Florestais, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Universidade de São Paulo, Piracicaba (Brasil).

BALESTRINI FILHO, Jorge. 1969: “O caminho de Luís Pedroso de Barros”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (Brasil), 66, 79 -103.

BENINCASA, Vladimir. 2014: Velhas fazendas - arquitetura e cotidiano nos Campos de Araraquara. 1830-1930. São Carlos (Brasil), Editora da Universidade de São Carlos.

CARVALHO, Mara Lígia Scotton de. 2021: Caminhos e trajetórias: Uma retrospectiva histórica da formação territorial de Ipeúna/SP. Dissertação Mestrado em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro (Brasil).

CÔRREA, Roberto Lobato. 2018: Caminhos paralelos e entrecruzados. São Paulo (Brasil), Editora Unesp.

DEAN, Warren. 1977: Rio Claro: Um sistema brasileiro de grande lavoura 1820-1920. Rio de Janeiro (Brasil), Editora Paz e Terra.

DINIZ, Diana Maria de Faro Leal. 1973: Rio Claro e o café, desenvolvimento, apogeu e crise (1850-1900). Tese doutorado em História, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro (Brasil).

DORIZOTTO, Sermo. 2008: Os primórdios de Piracicaba: Informações, documentos, comentários e notas. Piracicaba (Brasil), Editora do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba.

DORIZOTTO, Sermo. 2017: O Bairro do Recreio. Caxias do Sul (Brasil), Editora São Miguel.

FÓRUM DA COMARCA DE RIO CLARO. 1896: “Processo de divisão e demarcação do sítio Invernada. Samuel Draesback”. Tabelião Público judicial e notas de São João Batista de Rio Claro (Brasil).

GARCIA, Liliana Bueno dos Reis. 2001: São João do Rio Claro, a aventura da colonização. Tese doutorado livre docência, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro (Brasil).

MACHADO, Helia Maria de Fátima Gimenez. 2004: Uma História para Ipeúna. Dissertação Mestrado em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro (Brasil).

NEME, Mario. 1969: “Dois antigos caminhos de sertanistas de São Paulo”. Anais do Museu Paulista de São Paulo, (Brasil), 23, 40.

NEME, Mario. 1974: Apossamento do solo e evolução da propriedade rural na zona de Piracicaba. São Paulo (Brasil). Edição do Fundo de Pesquisas do Museu Paulista da Universidade de São Paulo.

PENTEADO, Oscar de Arruda. 1978: “Como nasceu e cresceu Rio Claro”. Rio Claro sesquicentenária. São Paulo (Brasil), Impressa Oficial do estado de São Paulo, 1, 16-71.

VALENTE, Roberta de Oliveira Averna. 2001. Análise da estrutura da paisagem na bacia do rio Corumbataí, SP. Dissertação Mestrado em Recursos Florestais, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Universidade de São Paulo, Piracicaba (Brasil).

Published

2023-07-14

How to Cite

Scotton de Carvalho, M. L. (2023). Socio-spatial transformations and territorial appropriation of Ipeúna, state of São Paulo, Brazil region. Agua Y Territorio / Water and Landscape, (23), e7307. https://doi.org/10.17561/at.23.7307