O vínculo mãe-bebê e o desenvolvimento dos transtornos alimentares sobre a óptica psicanalítica

  • DANIELA CAROLINE MEDEIROS FERREIRA UNIVERSIDADE UNINASSAU, JOÃO PESSOA

Resumen

A relação mãe-bebê é essencial para o desenvolvimento da criança. Os autores Freud (1996), Winnicott (1999) e Melanie Klein (1996), descrevem sobre desenvolvimento infantil estabelecendo a relação mãe-bebê de acordo com os primeiros vínculos. Freud (1996) postulou a teoria da sexualidade e a dividiu em fases. Essas fases são em grau de importância todas com mesmo valor para o desenvolvimento da criança e a participação da mãe está presente em todos eles. No entanto, a falha na fase oral pode ser desencadeador de um Transtorno Alimentar (TA). Os transtornos alimentares trazem consequências negativas na relação mãe-bebê no aspecto da alimentação. O trabalho aponta a relação que a criança terá com os alimentos sobre os reflexos do vínculo mãe e filho. O nosso objetivo foi conhecer a relação do papel da mãe para o surgimento dos TAs. Concluímos que de fato e de acordo com a psicanálise a atuação da mãe vai influenciar o surgimento ou não de um TA, as relações mães e filhas repletas de desvelo ou de desprezo fazem com que a criança através da alimentação excessiva ou da recusa dela ressignifique a maneira como a mãe cuidou do bebê nos primeiros anos de vida.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Ávila, A.C. L., Weiss, F.B., Laurindo, M.C. (2007). Relação mãebebê e seus reflexos na questão da alimentação na primeira infância. Akrópolis, Umuarama, v. 15, n. 3, p. 159-163, jul./set.

Barbieri, V., Jacquemin, A., Biasoli-Alves, Z.M.M. (2005). Personalidade materna e resultados de crianças no psicodiagnóstico interventivo: O que significa mãe suficientemente boa. Revistas eletrônicas PUC Psico (PUC-RS) 36.2 (2005): 117-125.Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/revistapsico/ojs/index.php/revistapsico

Gorgati. S. B., Holcberg. A. S., Oliveira. M. D. (2002). Abordagem psicodinâmica nos transtornos alimentares. Revista Brasileira de Psiquiatria. vol.24, suppl.3, dez. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462002000700010.

Gonçalves, J. de A.; Moreira, E. A. M.; Trindade, E. B. S. de M.; Fiates, G. M. R. (2013).Transtornos alimentares na infância e na adolescência. Revista Paulista de Pediatria, v. 31, n. 1, p. 96-103. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822013000100016>

Freud, S. (1996). Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: O ego e o id e outros trabalhos (1923-1925). Vol. XIX. Rio de Janeiro: Ed. Imago.

Kelner, G. (2004). Transtornos alimentares: um enfoque psicanalítico. Estudos psicanalista, Belo Horizonte, n. 27, p. 33-44, ago. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-34372004000100005&lng=pt&nrm=iso>.

Klein, M. (1996). Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945. Rio de Janeiro: Imago.

Laender, N.R. (2005). A construção do conceito de superego em Freud. Reverso 27. 52, p. 63 - 68.

Morgan, C.M., Vecchiatti, I.R., Negrão, A.B. (2002). Etiologia dos transtornos alimentares: aspectos biológicos, psicológicos e sócio-culturais. Revista Brasileira de Psiquiatria.

Nicoletti, M. et al. (2010). Grupo psicoeducativo multifamiliar no tratamento dos transtornos alimentares na adolescência. Psicologia em estudo, v. 15, n. 1.

Paraventi, F. et al. (2011). Estudo de caso controle para avaliar o impacto do abuso sexual infantil nos transtornos alimentares. Archives of Clinical Psychiatry.

Sampaio, A.B.M. et al. (2013). Seletividade Alimentar: uma abordagem nutricional. Jornal Brasileiro de Psiquiatria.

Santos, R.S.G. (2017). A função materna e os problemas no desenvolvimento infantil. Universidade Regional Unijuí. Três Passos/ Rio Grande do Sul. Disponível em: <http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/handle/123456789/4317?show=ful

Taquette, S. (2008). Sexualidade na adolescência. Saúde do Adolescente: competências e habilidades. Brasilia: Ministério da Saúde. Saúde do - portal.saude.gov.br, Brasília

Winnicott, D.W. (1999). Os bebês e suas mães. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Cómo citar
MEDEIROS FERREIRA, D. C. (1). O vínculo mãe-bebê e o desenvolvimento dos transtornos alimentares sobre a óptica psicanalítica. Revista Internacional De Apoyo a La inclusión, Logopedia, Sociedad Y Multiculturalidad, 5(2). Recuperado a partir de https://revistaselectronicas.ujaen.es/index.php/riai/article/view/4790
Sección
Artículos de investigación