Aceitação dos pais para o transtorno do espectro autista do filho

  • ALDYLAYNE ELEN OLIVEIRA DUARTE UNIVERSIDADE UNINASSAU, JOÃO PESSOA

Resumen

O presente trabalho apresenta quais as reações dos pais frente ao diagnóstico do Transtorno do Espectro Autista (TEA), bem como as possíveis dificuldades em aceitar um filho com este Transtorno, e a importância dos pais no desenvolvimento do seu filho. O método foi a Revisão bibliográfica Narrativa da literatura através de buscas nos bancos de dados: Google Acadêmico e Scielo, sendo 62 artigos, 2 dissertações, 3 livros e 2 teses. Foram identificadas as dificuldades em aceitar um filho com TEA em duas vertentes, uma pessoal e outra social. A pessoal diz respeito à quebra da idealização do filho perfeito e as demandas cansativas que a criança com TEA apresenta. As questões ressaltam o preconceito ao diferente, as poucas informações recebidas sobre o transtorno e escassas assistências em órgãos públicos ao transtorno e aos pais. Conclui-se que é imprescindível que os pais sejam acompanhados após o diagnóstico do filho, pois eles serão os responsáveis pelo desenvolvimento saudável da criança, a quem ela precisará para um bom prognóstico como também os profissionais estejam preparados para atender estas famílias que muito sofrem em buscas de respostas e de um diagnóstico com rapidez para seu filho.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Araújo, A.C., Lofuto, F.A. (2014 ). Nova Classificação Americana Para os Transtornos Mentais – o DSM-5. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva. Vol. XVI, no. 1, 67 – 82. Disponível em:<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452014000100007>

Associação Americana De Psiquiatria. DSM-V. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Trad: Marina Inês do Nascimento – 5.ed. rev. – Porto Alegre: Artmed.

Assumpção J.F., Pimentel, A.C.M. (2013). Autismo infantil. Revista Brasileira de Psiquiatria. Minas Gerais. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462000000600010.

Balestro, J.I., Fernandes, F.D.M. (2012). Questionário sobre dificuldades comunicativas percebidas por pais de crianças do espectro autista. Rev. Soc. Bra.fonoaudiol. v.17 N.3, p. 279-286, São Paulo. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsbf/v17n3/08.pdf>

Bosa, C.A., Callias, M. (2000). Autismo: breve revisão de diferentes abordagens. Psicologia: reflexão e crítica. Porto Alegre. Vol. 13, n. 1 p. 167-177. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-79722000000100017&script=sci_abstract&tlng=pt>

Bosa, C.A. (2006). Autismo: intervenções psicoeducacionais. Revista brasileira de psiquiatria = Brazilian journal of psychiatry. Vol. 28, supl. 1, p. 47-53, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S151644462006000500007&script=sci_abstract&tlng=pt>.

Ferreira, I.M.D.M. (2011). Uma criança com perturbação do transtorno do espectro autista: um estudo de caso. Tese (Mestrado em educação). Castelo Branco: Instituto Politécnico de Castelo Branco. Disponível em:<https://repositorio.ipcb.pt/bitstream/10400.11/700/1/Tese_Isabel_Ferreira.pdf>.

Fiamenghi J.G.A., Messa, A.A. (2007). Pais, filhos e deficiências: Estudo sobre as relações familiares. Psicologia Ciência e profissão. São Paulo, 2007. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932007000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>.

Fonseca, S.A, Missel, A. (2014). Autismo: Auxílio ao desenvolvimento antecipadamente. Revista pós graduação: Desafios contemporâneos. V 1, n 1, p 83/99, Cachoerinha RS. Disponível em:<http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/revposgraduacao/article/view/622>.

Gadia, C.A, Tuchman, R., Rotta, N.T. (2004). Autismo e doenças invasivas de desenvolvimento. Jornal de pediatria, v. 80, n. 2, p. 83-94. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S002175572004000300011&script=sci_abstract&tlng=pt>.

Gaiato, M.B., Reveles, L.T., Silva, A.B.B. (2012). Mundo singular: entenda o autismo. Rio de Janeiro: Objetiva.

Leandro, J.A., Lopes, B.A. (2017). Carta de mães e pais de autistas ao Jornal do Brasil na década de 1980. Interface- comunicação, saúde e educação. Ponta Grossa – Paraná. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/icse/2017nahead/1807-5762-icse-1807-576220160140.pdf>.

Lemos, E.L.M.D. et al. (2016). Concepção de pais e professores sobre a inclusão de crianças autistas. Universidade Federal da Paraíba. Artigo Fractal: Revista de Psicologia, v. 28, n. 3, p. 351-361, set.-dez. João Pessoa, Paraíba, Brasil. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1984-02922016000300351&script=sci_abstract&tlng=pt>.

Lima, T.C.S.D., Mioto, R.C.T. (2007). Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, v. 10. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/rk/v10nspe/a0410spe>.

Maia, A., Nogueira, L.A.M.N., Silva, K.C.O., Santiago, R.F. (2016). A importância da família no cuidado da criança autista. Revista Saúde em Foco. Teresina, v. 3, n. 1, art. 1, p. 66-83, jan./jun. Disponível em:<http://www4.fsanet.com.br/revista/index.php/saudeemfoco/article/view/719>.

Mota, A.C.W., Cruz, R.M., Viera, M.L. (2011). Desenvolvimento e adaptabilidade de pessoas com transtorno autista na perspectiva evolucionista. Revista Brasileira Crescimento e Desenvolvimento humano. v21 n02. São Paulo. Disponível em:<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822011000200021>.

Ribeiro, M.F.M. (2012). Aprendendo a ser mãe de uma criança autista. Estudos Goiânia, v. 39, n. 4, p. 579-589, out./dez. Disponível em:<http://revistas.pucgoias.edu.br/index.php/estudos/article/viewFile/2670/1632>.

Rodrigues, M.S.P., Sobrinho, E.H.G., Da Silva, R.M. (2000). A família e sua importância na formação do cidadão. Família, Saúde e Desenvolvimento, v. 2, n. 2. Disponível em:< file:///C:/Users/Aldylayne/Downloads/4934-11182-1-PB%20(1).pdf>.

Santos, A.M.T. (2008). Autismo: Desafio na alfabetização e convívio escolar. São Paulo: Atlas. Disponível em:<http://www.crda.com.br/tccdoc/22.pdf>.

Sassi, F. (2013). O impacto da deficiência infantil aos pais e o processo de reconhecimento desta realidade por meio do auxílio promovido pelas equipes de profissionais da saúde. RS: Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade de Caxias do Sul, Disponível em: <http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0319.pdf>.

Schimidt, C., Bosa, C. (2007). Estresse e auto-eficácia em mães de pessoas com autismo. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 59, n. 2, Rio Grande do Sul, Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672007000200008>.

Silva, S.B. (2009). O autismo e as transformações na família. Itajaí- SC: UNIVALI Disponível em:<http://siaibib01.univali.br/pdf/scheila%20borges%20da%20silva.pdf>.

Cómo citar
OLIVEIRA DUARTE, A. E. (1). Aceitação dos pais para o transtorno do espectro autista do filho. Revista Internacional De Apoyo a La inclusión, Logopedia, Sociedad Y Multiculturalidad, 5(2). Recuperado a partir de https://revistaselectronicas.ujaen.es/index.php/riai/article/view/4791
Sección
Artículos de investigación