Humanização e socialização em hospitais psiquiátricos: relato de experiência

  • EUDES NASCIMENTO DA SILVA UNINASSAU JOÃO PESSOA
  • LUÍS AUGUSTO DE CARVALHO MENDES UNINASSAU JOÃO PESSOA

Resumen

O presente relato de experiência consistiu em descrever as atividades desenvolvidas em um hospital psiquiátrico pelo campo da psicologia e como é promovido o trabalho interdisciplinar, com a finalidade de promover um tratamento humanizado e desenvolver a socialização de pacientes através de atividades de campo e oficinas terapêuticas promovidos pela instituição e grupos autônomos, muitos destes formados por estudantes que visitam a instituição promovendo dinâmicas e atividades recreativas, desenvolvidos nos espaços da instituição preparados para o desenvolvimento dessas atividades. Este artigo teve por objetivo descrever acerca das atividades desenvolvidas pelo psicólogo na assistência a saúde mental em hospitais psiquiátricos de acordo com as novas diretrizes da reforma psiquiátrica, a metodologia utilizada, abordava a discussão entre o referencial teórico e a execução das atividades realizadas durante o período de estágio curricular.

Citas

Bachrach, L.L. (1981).General Hospital Psychiatry: overview from a sociological perspective. Am J Psychiatry;138 (7):879-87.

Campos, G.W.S., y AMARAL, M.A. (2007). A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciênc. Saúde coletiva [online], vol.12, n.4, pp. 849-859.

Campos, G.W.S., y Domitti, A.C. (2007). Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública [online], vol. 23, n.2, pp. 399-407.

Iglesias, A., y Avellar, L.Z. (2016). Os Psicólogos e o Matriciamento. Psicologia: Ciência e Profissão Abr/Jun. v. 36 n°2, 364-379.

Larrobla, C. (1999). Explorando as fronteiras da assistência psiquiátrica na América do Sul: o papel das unidades psiquiátricas nos hospitais gerais. Dissertação de mestrado. São Paulo: Unicamp. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/311441.

Lei n. 10.216, de 6 de abril de 2001. (2004). Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas com transtornos mentais. Ministério da Saúde. Legislação em saúde mental: 1990-2004. Braília/DF: Ministério da Saúde. Recuperado em:

Lei n. 11.788, de 25 de setembro de 2008. (2008, 26 de dezembro). Recuperado em: 22 de agosto de 2008.

Mayou R. (1989).The history of general hospital psychiatry. Br J Psychiatry.155:764- 76.

Minitério da Saúde. (2001). Coordenação Geral de Documentação e Informação. Legislação em saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Moraes, R. C. P., y Castro-Silva, C. R. (2016). Sentidos e Processos Psicossociais envolvidos na Inclusão pelo Trabalho na Saúde Mental. Psicologia: Ciência e Profissão Jul/Set. 2016 v. 36 n°3, 748-762.

Resende, H. (1987). Política de saúde mental no Brasil: Uma visão histórica. In: Bezerra, J.B. Cidadania e loucura: políticas de saúde mental no Brasil. Petrópolis: Vozes; p.1-73.

Rodinesco, E. (1986). História da psicanálise na França: a batalha dos cem anos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Rotelli, F., Amarante, P. (1992). Reformas psiquiátricas na Itália e no Brasil: aspectos históricos e metodológicos. In: Bezerra, J.B, Amarante, P., organizadores. Psiquiatria sem hospício: contribuições ao estudo da reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Editora Relume-Dumará;p. 41-55.

Sección
Artículos de reflexión