Ensino remoto: aproximações teóricas sobre formação e prática docente

  • Maria Janete de Lima Universidade Federal de Campina Grande (Cajazeiras, Brasil)

Resumen

O artigo Ensino remoto: aproximação teórica sobre formação e prática docente tem como finalidade refletir: sobre a formação e construção da docência na universidade, sobre a importância do saber teórico e prático, sobre a necessidade dessa construção ter como lócus de referência o cotidiano escolar e contextualizar o ensino remoto como metodologia de ensino em tempos de pandemia. A reflexão sobre o ensino remoto se mostra importante no processo de formação posto que a contemporaneidade vem requerer desse profissional da educação habilidades novas e diferentes das habilidades requeridas no ambiente presencial de ensino. Para a ideia deste escrito considera-se as denominações ensino remoto, ensino a distância, ensino on line e ensino virtual como similares posto que são expressões utilizadas no modelo de ensino que vem se estruturando nas políticas públicas de educação. A formação nos cursos de licenciatura empreendida até o momento não contempla formar professores para o ensino virtual, on line, remoto. Acrescido a isto se pode questionar a formação, posto que as dificuldades de formação não se definem apenas na apropriação das tecnologias para o ensino remoto, e sim em refletir e desenvolver novas estratégias para minimizar os impactos negativos sobre a aprendizagem no ambiente virtual.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Beck, C. (2015). Malcolm Knowles: O Pai da Andragogia. Andragogia Brasil. Disponível em: https://andragogiabrasil.com.br/malcolm-knowles

Bates, Anthony W. (2017). Educar na era digital: design, ensino e aprendizagem. São Paulo: Artesanato Educacional / ABED.

Behar, P.A. e colaboradores. (2009). Modelos pedagógicos para a educação a Distância. Porto Alegre: Artmed.

Brasil. Ministério da Educação. (2007). Secretaria de Educação a Distância. Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância. Brasília, DF: MEC/SEED, ago. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf

Brasil. Lei N° 12.965/14. (2014). O uso da Internet no Brasil por meio da previsão de princípios, garantias, direitos e deveres para quem usa a rede, bem como da determinação de diretrizes para a atuação do Estado. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

Canário, R. (2002). Os estudos sobre a escola: problemas e perspectivas. In: Contreras, J. A. (1999). Autonomia de professores. São Paulo: Cortez.

Filatro, Ad. (2018). Como preparar conteúdos para EAD. São Paulo: Cortez.

Gatti, B. A. (2003). Formação continuada de professores: a questão psicossocial. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 119, jul. https://doi.org/10.1590/S0100-15742003000200010

Inep. (2018). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O Censo da Educação Superior 2018.

Levy, P. (1996). O que é o virtual. São Paulo: Ed. 34.

Nóvoa, A. (Org.). (1995). Vida de Professores. 2.ed. Porto: Porto Editora.

Perrenoud, P. (2000). Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Tardif, M.; Raymond, D. (2000). Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 21, n. 73, dez. https://doi.org/10.1590/S0101-73302000000400013

Publicado
2020-12-04
Cómo citar
Janete de Lima, M. (2020). Ensino remoto: aproximações teóricas sobre formação e prática docente. Revista Internacional De Apoyo a La inclusión, Logopedia, Sociedad Y Multiculturalidad, 6(3), 62-73. https://doi.org/10.17561/riai.v6.n3.5
Sección
Artículos de reflexión