Cuidados à criança com transtorno do espectro autista: uma revisão narrativa

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.17561/riai.v7.n2.6305

Palabras clave:

transtorno do especto autista, enfermagem, cuidados de enfermagem, cuidados de saúde

Resumen

O estudo buscou descrever quais as práticas de cuidado realizadas por enfermeiros e sua importância durante a assistência à criança com transtorno do espectro autista e sua família. O estudo consiste em uma pesquisa de natureza bibliográfica de caráter qualitativo do tipo narrativa. O método utilizado permitiu achados significativos sendo elencados 11 estudos para a construção da narrativa. A apresentação e análise de dados com obtenção das categorias temáticas elencadas para análise. A prestação de assistência no contexto familiar e a prática de convívio com o sujeito autista, faz-se indispensável, uma vez que a família é uma extensão cooperadora para outras exterioridades do desenvolvimento em sociedade do sujeito autista. E indispensável evidenciar práticas dispensadas por enfermeiros e estimular a discussão sobre a potencialização da inserção dessas práticas no contexto da enfermagem mais cotidianamente, visando acrescentar parcerias potentes para um cuidado multiprofissional e proporcionar benefícios decorrentes de uma assistência integral tanto a criança que vive com TEA quanto de sua família.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Claudia Moreira de Lima, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Enfermeira mestra em Meio Ambiente e Saúde na área de concentração de Poluentes Ambientais na Água e no Solo e Doenças Correlatas pela Universidade de Cuiabá - UNIC (2018). Professora Assistente do curso de Enfermagem da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT - Câmpus Universitário Francisco Ferreira Mendes, Diamantino/MT.

Adriana Maria de Almeida, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Aluna do curso de Enfermagem da Universidade do Estado de Mato Grosso, campus Diamantino / MT.

Grasiela Cristina Silva Botelho Silvestre, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Mestre em Meio Ambiente e Saúde na área de concentração de Poluentes Ambientais na Água e no Solo e Doenças Correlatas pela Universidade de Cuiabá - UNIC (2018). Professora Assistente do curso de Enfermagem da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT - Câmpus Universitário Francisco Ferreira Mendes, Diamantino/MT.

 

Karina Nonato Mocheuti, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Enfermeira mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (UNEMAT), na área de Formação de Professores em Pesquisa, Políticas e Práticas Pedagógicas. Professora Assistente Efetiva do curso de Enfermagem da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT - Câmpus Universitário Francisco Ferreira Mendes, Diamantino/MT.

Daniela Luzia Zagoto Agulhó, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT

Doutoranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Mato Grosso -UFMT.

Citas

American Psychiatric Association - APA. Diagnostic and statistical manual of mental disorders 5th (DSM-5), 2013. https://doi.org/10.1176/appi.books.9780890425596

Araújo, J.A.M.R., Veras, A.B., Varella, A.A.B. (2019). Breves considerações sobre a atenção à pessoa com transtorno do espectro autista na rede pública de saúde. Revista Psicologia e Saúde. v.11, n.1, p.89-98. https://doi.org/10.20435/pssa.v11i1.687

Arruda, B.C.A.P., et. al. (2018). O acompanhamento de uma criança no transtorno do espectro autista (tea): integração entre família, escola e terapeutas. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research - BJSCR. Minas Gerais-Brasil. v.23, n.4, p.29-32.

Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT (2002). Informação e documentação - Citações em documentos - Apresentação. Projeto NBR 10520: 2002.

Barbosa, J.P.S., Pimenta, H.F. (2018). O autismo no ambiente familiar e a interação família escola: um estudo de caso. Universidade Federal de Campina Grande; In: III CinTED. 12f, 2018.

Barreto, I.S., Magalhães, C.G., Gonçalves, D.T., Andrade, A.A. (2013). Processos de intervenção para crianças e adolescentes com Síndrome de Asperger: uma revisão de literatura. Contextos Clínicos. v. 6, n.2, p.132-143. https://doi.org/10.4013/ctc.2013.62.06

Bosa, C. (2006). Autismo: intervenções psicoeducacionais. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo. p.28. https://doi.org/10.1590/S1516-44462006000500007

Brasil. Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3o do art. 98 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Brasília, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Linha de cuidado para a atenção às pessoas com Transtornos do Espectro do Autismo e suas famílias na Rede de Atenção Psicossocial do SUS. Brasília, DF, Ministério da Saúde, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Brasília, 2013;104p.

Brites, C. (2019). Impacto da inclusão dos Transtornos do Espectro Autista (TEA) no Censo Brasileiro: abordagem essencial e urgente para políticas públicas. Instituto Neuro saber de Ensino - EIRELI 2015 - 2019.

Caminha, V.L.P.S., Huguenin, J.Y., Assis, L.M., Pires, P.A. (Orgs). (2016). Autismo: vivências e caminhos [livro eletrônico] - São Paulo: Blucher, v.1, 138f. https://doi.org/10.5151/9788580391329

Carvalho, F.A, et al. (2013). Rastreamento de sinais precoces de transtorno do espectro do autismo em crianças de creches de um município de São Paulo. Revista Psicologia: Teoria e Prática. v. 15, n.2, p.144-154.

Cofen. (2012). Conselho Federal de Enfermagem. resolução cofen nº 429 de 30/05/2012. Maio, 2012.

Corrêa, M.C.C.B., Queiroz, S.S. (2017). A família é o melhor recurso da criança: análise das trocas sociais entre mães e crianças com transtorno do espectro do autismo. Ciências & Cognição. v.22, n.1, p.041-062.

Cunha, E. (2012). Autismo e inclusão: psicopedagogia e práticas educativas na escola e na família. 4 ed. Rio de Janeiro: Wak.135f.

Dartora, D.D, Mendieta, M.C, Franchini, B. (2014). A equipe de enfermagem e as crianças autistas. Journal of Nursing and Health. v.4, n.1, p.27-38. https://doi.org/10.15210/JONAH.V4I1.43

De Brum, C.N. (2017). Modelo teórico de cuidado espiritual ao adolescente vivendo com hiv/aids na transição para a vida adulta. Tese (doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós Graduação em Enfermagem, Porto Alegre. p.213.

Franzoi, M.A.H., et al. (2016). Intervenção musical como estratégia de cuidado de enfermagem a crianças com transtorno do espectro do autismo em um centro de atenção psicossocial. Texto Contexto Enferm, v.25, n.1, e1020015. https://doi.org/10.1590/0104-070720160001020015

Gadia, C.A, Tuchman, R., Rotta, N.T. (2004). Autismo e doenças invasivas de desenvolvimento. J Pediatr. v.80, S.83-94. https://doi.org/10.1590/S0021-75572004000300011

Grinker, R.R. (2010). Autismo um mundo obscuro e conturbado. São Paulo: Larrousse do Brasil. p.320. https://doi.org/10.1590/S0104- 93132012000100011

Instituto de inclusão Brasil (2018). Autismo: Estratégias para aumentar a autonomia nas atividades de diárias. São Vicente-SP; 2018.

Losapio, M.F., Pondé, M.P. (2008). Tradução para o português da escala M-CHAT para rastreamento precoce de autismo. Rev Psiquiatr RS. v.30, n.3, p.221- 229. https://doi.org/10.1590/S0101-81082008000400011

Magalhães, J.M., et.al. (2020). Assistência de enfermagem à criança autista: revisão integrativa.Rev. Enfermería Global. p. 58. https://dx.doi.org/eglobal.356741.

Maia, F.A. et.al. (2016). Importância do acolhimento de pais que tiveram diagnóstico do transtorno do espectro do autismo de um filho. Cad. Saúde Colet. v.24, n.2, p. 228-234. https://doi.org/10.1590/1414-462X201600020282

Marques, D.F, Bosa, C.A. (2015). Protocolo de avaliação de crianças com autismo: evidências de validade de critério. Psicologia: Teoria e Pesquisa. v.31, n.1, p.43-51. https://doi.org/10.1590/0102-37722015011085043051

Melo, A.C, et. al. (2016). Identificação do Enfermeiro na assistência de enfermagem ao autismo. Mostra interdisciplinar do curso de Enfermagem. v.02, n.02.

Nascimento, Y.C.M.L., et. al. (2018). Transtorno do espectro autista: detecção precoce pelo enfermeiro na estratégia saúde da família. Rev baiana enferm. v. 32, e25425. https://doi.org/10.18471/rbe.v32.25425

Oliveira, A.C.A, Franzoi, M.A.H. (2018). A equipe de enfermagem frente a hospitalização de crianças com transtorno do espectro do autismo. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Enfermagem) - Universidade de Brasília. Brasília. p.23.

Oliveira, K.G, Sèrtie, A.L. (2017). Transtornos do espectro autista: um guia atualizado para aconselhamento genético. São Paulo, SP. v.15, n2, p.233-8. https://doi.org/10.1590/s1679-45082017rb4020

Oliveira, M.A. de, Goulart Junior, E., Fernandes, J.M. (2009). Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho: Considerações sobre Políticas Públicas no Estados Unidos, União Europeia e Brasil. Rev. Bras. Ed. Esp. Marilia. V.15, n.2, p.219 - 232. https://doi.org/10.1590/S1413-65382009000200004

Onzil, F.Z., Gomes, R.F. (2015). Transtorno do Espectro Autista: a importância do diagnóstico e reabilitação. Caderno pedagógico, Lajeado. v.12, n.3, p.188- 199.

Organização Pan-Americana de Saúde (2017).- OPAS. Folha informativa - Transtorno do espectro autista. Brasília, DF, Brasil. 2017.

Paredes, S.S.G., Saldanha, A. (2012). O papel da musicoterapia no desenvolvimento cognitivo nas crianças com perturbação do espectro do autismo. Lisboa: ESEAG. Dissertação (Mestrado em Educação); Escola Superior de Educação Almeida Garrett. p.176.

Pinto, R.N.M, Torquato, I.M.B, Collet, N., Reichert, A.P.S, Souza Neto, V.L., Saraiva, A.M. (2016). Autismo infantil: impacto do diagnóstico e repercussões nas relações familiares. Rev Gaúcha Enferm. v.37, n.3, e61572. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.03.61572

Sampaio, R.T., Loureiro, C.M.V., Gomes, C.M.A. (2015). A musicoterapia e o transtorno do espectro do autismo: uma abordagem informada pelas neurociências para a prática clínica. Belo Horizonte. v.32, p.137-170. https://doi.org/10.1590/permusi2015b3205

Schmidt, C., Kubaski, C., Bertazzo, J.B., Ferreira, L.O. (2015). Intervenção precoce e autismo: um relato sobre o Programa Son-Rise. Psicologia em Revista. v.21, n.2, p.414-430. https://doi.org/10.5752/P.1678-9523.2015V21N2P412

Silva, M., Mulick, J.A. (2009). Diagnosticando o transtorno autista: aspectos fundamentais e considerações práticas. Psicol. cienc. prof., Brasília. v.29, n.1, p.116-131. https://doi.org/10.1590/S1414-98932009000100010

Steyer, S. (2018). A importância da avaliação de programas de capacitação para identificação dos sinais precoces do transtorno do espectro autista - tea. Trends Psychol., Ribeirão Preto. v.26, n.3, p.1395-1410. http://dx.doi.org/10.9788/tp2018.3-10pt

Teixeira, M.C, et al. (2010). Literatura científica brasileira sobre transtorno do espectro autista. Rev Assoc Med Bras. v.56, p.607-14. https://doi.org/10.1590/S0104-42302010000500026

Publicado

2021-06-01

Cómo citar

Lima, C. M. de, Adriana Maria de Almeida, Grasiela Cristina Silva Botelho Silvestre, Mocheuti, K. N. ., & Agulhó, D. L. Z. . (2021). Cuidados à criança com transtorno do espectro autista: uma revisão narrativa. Revista Internacional De Apoyo a La inclusión, Logopedia, Sociedad Y Multiculturalidad, 7(2), 63–73. https://doi.org/10.17561/riai.v7.n2.6305

Número

Sección

Artículos de investigación