Da imagem que (me) falava: o retrato de minha avó materna.

  • Paulo Emilio Macedo Pinto Universidade de Pernambuco Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco Coletivo Tuia de Artifícios

Resumen

Esta escrita autobiográfica trata de minhas memórias afetivas despertadas pela fotografia de minha avó materna. A imagem é abraçada como um dispositivo para construir os trajetos de uma pessoa que nunca conheci pessoalmente. A imagem, os diálogos que ela sugere, através daqueles que testemunharam a existência corpórea de minha avó, ajuda-me a refletir sobre minhas heranças criativas, meu modo de sentir e tocar o mundo.

Biografía del autor/a

Paulo Emilio Macedo Pinto, Universidade de Pernambuco Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco Coletivo Tuia de Artifícios

Multiartista, (arte)educador e (arte)terapêuta. Doutor em Educação Artística pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Portugal. Mestre em Psicologia. Especialista em Arteterapia, em Artes Cênicas, em Abordagem Sistêmica da Família, e em Educação. Licenciado em Artes Plásticas, e em Psciologia. Bacharel em Psicologia. Criador do Coletivo Tuia de Artifícios e do Laboratório dos Sentidos, colaborador da APECV, da RIAEA e INSEA. 

 

Citas

BARROS, Myriam Moraes Lins de; STROZENBERG, Ilana. Álbum de família. Rio de Janeiro: Comunicação Contemporânea, 1992.

KIM, Joon Ho. A fotografia como projeto de memória. In: Cadernos de Antropologia e Imagem. 17 (2): 227-247. Rio de Janeiro: NAI/UERJ, 2003.

PINTO, M. Socorro M. No rastro da poesia. Fortaleza: Premius, 2014.

REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 1995.

ROSA, João GUIMARÃES. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.

Publicado
2019-06-12
Cómo citar
Macedo Pinto, P. E. (2019). Da imagem que (me) falava: o retrato de minha avó materna. Tercio Creciente, 8(2). https://doi.org/10.17561/rtc.n16.2
Sección
Artículos temáticos del número